História do Mundo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

História do Mundo

Mensagem  Akin Lan Feng em Dom Set 24, 2017 8:51 pm

Do Livro: A História do Mundo Para Quem Tem Pressa , De: Emma Marriott , Editora: Valentina


Primeiros Impérios e Civilizações


Oriente Médio e África =


SUMÉRIA

Por volta do ano 5000 a.C, grupos de agricultores se estabeleceram na área fértil do Sul da Mesopotâmia (hoje Iraque) conhecida então como Suméria. A partir desse início humilde, formou-se a primeira grande civilização do mundo. Vivendo nos vales ao longo dos rios Tigre e Eufrates (Mesopotâmia, em grego, significa “terra entre rios”), os agricultores sumérios conseguiam obter fartas colheitas de cereais e outros produtos agrícolas, cujos excedentes lhes permitiam se fixar no lugar. Esses excedentes eram também trocados por ferramentas e utensílios de metal produzidos por povos que viviam em regiões extremamente distantes, como as que hoje fazem parte do Paquistão e do Afeganistão. Sendo suas terras sujeitas a inundações, os sumérios construíram uma rede de valas e canais de escoamento. Por volta do ano 3000 a.C, algumas cidades-estado haviam se desenvolvido na região. A maior delas era Ur, com população em torno de 40 mil habitantes. O primeiro sistema de escrita se originou na Suméria: pictográfico, no início, evoluiu gradativamente até se transformar em uma série de sinais simplificados no formato de cunhas, que eram grafados com pedaços de junco em tabuletas de barro (argila). Essa escrita veio a ser chamada de cuneiforme, que significa “no formato de cunha”, em latim. Os sumérios também elaboraram um complexo sistema jurídico e administrativo, produziram veículos sobre rodas, desenvolveram rodas de oleiro, ergueram grandes zigurates e construíram prédios com colunas e domos. O primeiro grande império da Suméria foi estabelecido por Sargão, rei da Acádia (antigo reino situado ao norte da Suméria). Por volta de 2350 a.C, todas as cidades sumérias estavam sob seu controle. O império se estendia da Síria até o golfo Pérsico. Essa dinastia foi destruída por volta de 2200 a.C, mas após 2150 a.C os reis de Ur restabeleceram a autoridade suméria na região e ainda conquistaram a Acádia. Após uma invasão dos elamitas (que formavam uma civilização a leste da suméria) e o saque de Ur, em cerca do ano 2000 a.C, a Suméria caiu sob o domínio dos amoritas, sob o qual emergiu a cidade-estado da Babilônia.


ANTIGO EGITO: O ANTIGO IMPÉRIO

A primeira grande civilização da África teve início com o povoamento do vale do Nilo, no Nordeste do continente, por volta do ano 5000 a.C. Acredita-se hoje que seus colonizadores provinham do Saara, onde as primeiras sociedades agrícolas haviam se desenvolvido 2 mil anos antes, quando as mudanças que o transformaram em um deserto ainda não haviam ocorrido. Essas mesmas mudanças climáticas secaram os pântanos do vale do Nilo, que assim se tornou mais atraente para os agricultores. Em meados do quarto milênio antes de Cristo, o vale do Nilo já estava densamente povoado. Cidades haviam se desenvolvido, e a região fora dividida em dois reinos egípcios. A cronologia tradicional egípcia considera que, em 3200 a.C, o faraó (soberano) Menés unificou os dois reinos do país e criou um Estado único. Esse foi o início de uma civilização que durou 3 mil anos e que ficou marcada por suas tumbas monumentais e pelo florescimento da cultura egípcia. No período mais remoto do Antigo Egito, conhecido como Antigo Império (2575 a.C – 2130 a.C, o país foi governado por poderosos faraós e assistiu a grandes desenvolvimentos na tecnologia, na arte, na arquitetura e na escrita hieroglífica. Durante esse período foram construídas a Esfinge e as grandes pirâmides de Gizé (o que causou a morte de milhares de trabalhadores egípcios). As pirâmides, que asseguravam ao faraó a vida após a morte, estavam estreitamente associadas ao culto de Rá, o deus Sol, e seu formato lembrava a irradiação difusa dos raios solares, oferecendo também uma escadaria para que o falecido líder fosse ao encontro dos deuses.


ANTIGO EGITO: O MÉDIO IMPÉRIO E O NOVO IMPÉRIO

Depois de um período de secas extremas e fome, e do colapso do governo central, seguiu-se um período de estabilidade, conhecido como Médio Império (1938 a.C – 1630 a.C). A partir daí, os faraós egípcios restauraram a prosperidade do país, protegendo suas fronteiras, aumentando a produção agrícola e tendo acesso a uma vasta riqueza mineral (em parte pela reconquista de terras na Baixa Núbia, rica em pedreiras e minas de ouro). Esse período se tornou conhecido por suas joias e ourivesaria. A adoração de Osíris, deus da morte e da ressurreição, também se difundiu no Egito, gerando a crença predominante de que todos, e não apenas os faraós, poderiam ser acolhidos pelos deuses após a morte. Construções ambiciosas e grandes projetos de mineração, juntamente com graves inundações do Nilo, provocaram enfraquecimento no poder do faraó, permitindo que colonos estrangeiros (sobretudo os hicsos, provavelmente vindos da Palestina) assumissem o poder. A mudança de uma economia baseada no bronze para outra baseada no ferro também contribuiu para o declínio egípcio. Esse período foi seguido pelo Novo Império (1539 a.C – 1075 a.C), quando o controle foi restabelecido pelos faraós e a influência egípcia se estendeu até a Núbia e o Oriente Médio. O Novo Império é tido como um dos mais grandiosos capítulos da história do Egito, quando muitos enormes templos foram construídos, assim como as tumbas decoradas com pinturas no vale dos Reis. Foi uma era que revelou alguns dos mais famosos faraós do Egito, incluindo uma mulher, Hatsheput, e o rei-menino Tutankhamon. Depois da morte do último grande faraó, Ramses III, em 1070 a.C, o Egito entrou em um lento declínio, dividindo-se em pequenos reinos. Por volta de 719 a.C, os cuchitas conquistaram o país, que governaram com seus próprios faraós, até serem repelidos de volta às suas fronteiras pelos assírios, em 656 a.C. O controle assírio foi seguido pela conquista persa, em 525, pela ocupação por Alexandre, o Grande, em 332 a.C, e finalmente pelo domínio romano, no ano 30 a.C.


BABILÔNIA

O poder político na Mesopotâmia foi, por fim, se transferindo para a cidade da Babilônia, na Acádia, e toda a planície acabou se tornando conhecida como Babilônia. A primeira grande dinastia babilônica durou cerca de 300 anos, de 1894 a.C até o reinado de Hammurabi (1795 a.C – 1750 a.C), quando alcançou o auge de sua influência. Durante o governo de Hammurabi, o Império da Babilônia se expandiu até englobar todo o Sul da Mesopotâmia (inclusive a Suméria) e parte da Assíria, ao norte. Hammurabi é famoso por ter instituído o primeiro conjunto de leis conhecido no mundo (o Código de Hammurabi) e também por promover as ciências e a escolarização. Após sua morte, o império da Babilônia declinou e, a partir de 1595 a.C, foi dominado pelos hititas e depois pelos cassitas (povo montanhês do leste da Babilônia), que estabeleceram uma dinastia que durou 400 anos. Durante esse período, a Assíria se desvinculou da Babilônia e iniciou uma guerra para dominá-la, que se prolongou por vários séculos. Por volta do século IX a.C., reis assírios estavam governando a Babilônia, o que fizeram até a queda do seu império, no final do século VII a.C. A partir de então a Babilônia caiu sob o domínio dos caldeus (um povo semita pouco conhecido) e o império prosperou novamente. Destaca-se o governo de Nabucodonosor II (604 a.C – 562 a.C), que conquistou a Assíria e a Palestina, e revitalizou a cidade da Babilônia, construindo o templo de Marduk (o maior deus da Babilônia) e os célebres “Jardins Suspensos”. Em 539 a.C, a Babilônia foi invadida pelos persas, comandados por Ciro, o Grande, e o Império da Babilônia chegou ao fim, embora a capital tenha permanecido importante até meados do século IV a.C.


IMPÉRIO HITITA

O povo guerreiro conhecido como hitita formou uma das grandes potências da Era do Bronze, governando por cerca de mil anos um território que hoje abrange regiões da Síria e da Turquia. O Império Hitita, que alcançou sua maior extensão entre 1450 a.C e 1200 a.C, rivalizava com os impérios da Babilônia, da Assíria e do Egito. Muito do que sabemos sobre os hititas provém da descoberta de 10 mil tabuletas de barro com caracteres cuneiformes em Hattusa, na Turquia, em 1906. Essas tabuletas, juntamente com as ruínas de algumas de suas antigas cidades, revelaram que os hititas eram povos feudais que habitavam uma região ao norte do mar Negro. Não muito depois do ano 3000 a.C, eles se lançaram rumo ao sul, entrando na Anatólia, ou Ásia Menor, território que hoje integra a parte asiática da Turquia. Os hititas montavam cavalos, dirigiam carruagens de guerra e portavam adagas de bronze. Por volta do ano 2000 a.C, os diversos Estados hititas foram unificados em um império, com capital em Hattusa. Um dos primeiros reis hititas, Hattusili I (1650 a.C – 1620 a.C), invadiu a Síria. Seu sucessor, Mursili I, saqueou a Babilônia, embora depois tenha sido morto, e as conquistas hititas, perdidas. Um império hitita ainda mais poderoso surgiu em 1450 a.C. Em cerca de 1380 a.C, o grande rei hitita Suppiluliuma havia erguido um império que englobava a Síria quase até Canaã (no atual Israel). No reinado de seu descendente Muwatalli, o Egito e o Império Hitita competiam pela supremacia na Síria, o que resultou na feroz e famosa Batalha de Kadesh, travada entre as tropas de Muwatalli e do faraó egípcio Ramses II (1300 a. C). Acredita-se que os hititas foram a primeira civilização a produzir ferro em larga escala, usando o metal para confeccionar ferramentas e armas, iniciando assim a Idade do Ferro (embora o ferro só viesse a ser usado pela maioria das civilizações séculos mais tarde). O poder hitita desmoronou suitamente quando imigrantes, entre eles os Povos do Mar Egeu (uma misteriosa coalisão proveniente do leste do Mediterrâneo), invadiram a região por volta de 1193 a.C.


ASSÍRIA

No século XIV a.C, a Assíria se separou da Babilônia e estabeleceu um império independente, centralizado na cidade de Assur, no Norte da Mesopotâmia. Guerras constantes contra invasores do norte e do sul transformaram os assírios em ferozes guerreiros, célebres por sua crueldade. Com idioma praticamente idêntico ao dos babilônios (cuja cultura absorveram), os assírios inovaram a tecnologia armamentista, desenvolvendo uma série de equipamentos para cercos. Também acredita-se que foram os primeiros a usar cavalos como cavalaria, em vez de simples puxadores de carruagens de guerra. O mais famoso dos reis assírios, Sargão II (722 a.C – 705 a.C), mudou a capital para Nínive e conquistou, entre outros lugares, Damasco e Israel, exilando 30 mil israelitas (o fato por trás da lenda das Dez Tribos Perdidas de Israel). No século VII a.C, a Assíria havia se tornado o maior império que o mundo já vira. O último dos grandes reis assírios, Assurbanipal (668 a.C – 627 a.c), governou uma região que se estendia do golfo Pérsico ao Egito, inclusive. Para governar um império tão grande, os assírios construíram estradas e instituíram um serviço de correios altamente eficiente. Em Nínive, Assurbanipal planejou e construiu a primeira biblioteca organizada do Oriente Medio, com milhares de textos em tabuletas de barro. Atualmente, existem no Museu Britânico 20.720 dessas tabuletas de escrita cuneiforme. O Estado assírio foi finalmente derrotado em 612 a.C, por uma coalizão de medos (povos indo-europeus aparentados com os persas) e caldeus. Durante os séculos seguintes, a Assíria foi governada pela Babilônia, pelo império Persa, por Alexandre, o Grande (que a rebatizou de Síria), pelos partos e pelos romanos.


FENÍCIA

Por volta do ano 2000 a.C, muitos povos haviam se estabelecido a leste do Mediterrâneo, no que hoje abrange áreas do Líbano, Síria e Israel. Vivendo em uma estreita faixa costeira que formava um ponto de comunicação natural entre a Ásia, a África e outras terras, esses colonos se desenvolveram e começaram a produzir diversas mercadorias, como tábuas de cedro (usadas em construções), azeitona, vinho e tecidos, que comerciavam com o Egito, Chipre, Creta e lugares distantes, como Tróia, na Turquia ocidental. Por volta de 1500 a.C, novas cidades começaram a surgir na região, que vieram somar-se a Ugarit e Biblos, fundadas em épocas muito mais antigas – 4000 a.C e 3000 a.C, respectivamente. Ao contrário de alguns impérios que surgiram paralelamente, as cidades fenícias – as maiores eram Tiro, Sidon e Beirute, todas famosas por seus bordados – haviam entrado em uma era dourada no início do ano 1000 a.C. O comércio continuou a ser a pedra angular da prosperidade fenícia, em particular a manufatura e a venda de produtos de luxo, como ornamentos de ouro e prata, vidros finos e marfim lavrado. Os corantes fenícios e, principalmente, seus famosos tecidos de cor púrpura, cada vez mais associados a um status social superior, tornaram-se muitos procurados. De fato, o nome Fenícia é derivado da palavra grega para “púrpura”. Sendo uma potência marítima, os fenícios começaram a estabelecer, desde o final do século IX a.C, colônias em Chipre e na costa norte-africana. Em 814 a.C estabeleceram-se em Cartago, na atual Tunísia. A Fenícia ainda prosperou sob o controle dos impérios assírio e persa até 322 a.C, quando Tiro, sua capital, foi saqueada, e o país incorporado ao mundo grego de Alexandre, o Grande.



Extremo Oriente =


A CIVILIZAÇÃO DO VALE DO INDO

Uma das comunidades urbanas mais desenvolvidas do mundo surgiu por volta do ano 2500 a.C, no vale do Baixo Indo, hoje parte do Paquistão. Além de ser, sob muitos aspectos, mais avançada que o Antigo Egito, era com certeza mais extensa, cobrindo uma área de aproximadamente 500 mil km², contra os 63 mil do Egito. Foi a primeira civilização a surgir no Sul da Ásia e deveu seu desenvolvimento às terras férteis do vale. Até o momento, cerca de 100 sítios relacionados à civilização do Indo foram escavados por arqueólogos, e o trabalho está apenas começando. O maior desses assentamentos inclui as cidades de Harappa, Mohenjo-Daro e Dholavira, cada uma com população entre 30 e 40 mil habitantes. Sólidos prédios construídos com tijolos de barro cozido e organizados em um traçado ortogonal de ruas e vias testemunham um cuidadoso planejamento urbano, comum a muitas das cidades e dos vilarejos do vale do Indo. Essas povoações também se destacam por alguns dos sistemas de saneamento mais avançados da história. Quase todas as habitações de Mohenjo-Daro dispunham de vaso sanitário conectado a esgotos revestidos com tijolos, que corriam sob as ruas. A escrita da civilização do Indo, formada por 400 sinais e encontrada principalmente em selos de pedra-sabão, ainda não foi decifrada. Assim, muitas perguntas importantes continuam sem resposta. Não foram encontrados armamentos nem qualquer indício de religião organizada. Não existe, portanto, nenhuma explicação definitiva para o súbito desaparecimento dessa civilização, ocorrido por volta de 1500 a.C. Algumas hipóteses têm sido aventadas: inundações, superpopulação, acúmulo de sal no solo ou a invasão de povos arianos.


A ERA VÉDICA E O HINDUÍSMO

A Era Védica (1500 a.C – 800 a.C) está relacionada ao período em que surgiram as antigas escrituras hindus, conhecidas como Vedas. Formadas por quatro livros sagrados, são consideradas as predecessoras históricas do hinduísmo. A era Védica também associada à chegada à Índia, por volta do ano 1500 a.C, dos invasores arianos, povos originários da Ásia central. A palavra “ariano”, em sua origem, significava “nobre”. Não existem registros históricos confiáveis das migrações arianas, mas os arianos são citados no Rigveda, a mais antiga escritura veda, como povos tribais, cujas vidas giravam em torno de cavalos e rebanhos de gado. Falavam uma antiga forma de sânscrito, o idioma das escrituras hindus, que acabou evoluindo e se ramificando em diversos idiomas, entre eles o híndi, a língua oficial da Índia moderna. Nos séculos que se seguiram à chegada dos arianos, o Norte da Índia foi aos poucos se arianizando, embora no início os arianos, de pele clara, não se miscigenassem com os habitantes de pele escura que encontraram no país. Isso deu origem a uma rígida hierarquia social, composta de quatro divisões: os brâmanes (sacerdotes ou eruditos), os xátrias (soldados), os vaixas (fazendeiros ou mercadores) e os sudras (servos). Essa divisão formou a base do sistema de castas indiano. As formas védicas de crença são tidas como precursoras do moderno hinduísmo. Suas divindades principais incluem Indra, Agni (o fogo sacrificial) e Surya (o Sol). Alguns dos deuses clássicos hindus, como Vishnu, tinham importância menor, enquanto outros, como Shiva, estavam totalmente ausentes. A realização de sacrifícios era crucial na crença védica, em especial a oferenda do soma (uma bebida alucinógena) aos deuses. Lá para o final do período védico, a religião dos povos conquistados havia se combinado com as tradições dos vedas, formando os primórdios do hinduísmo.


A ANTIGA CIVILIZAÇÃO CHINESA

Na China, a mais antiga civilização conhecida é a da dinastia Xia. Escassas descobertas arqueológicas acabaram provocando discussões sobre se a civilização Xia de fato existiu. Acredita-se que possa ter surgido por volta do ano 2100 a.C, no vale do rio Amarelo, onde arqueólogos encontraram utensílios de pedra e um crisol para derreter bronze, datados do ano 2000 a.C. A subsequente dinastia Shang, que a partir de 1766 a.C se estabeleceu nas proximidades da área hoje ocupada pela cidade de Anyang, é bem mais compreendida, principalmente devido à descoberta de mais de 100 mil cascos de tartaruga com inscrições – o povo shang tentava prever o futuro aquecendo conchas ou ossos de animais (conhecidos como ossos oraculares). As inscrições relativas a essa tradição constituem os registros mais antigos da escrita chinesa. Por volta de 1500 a.C, a dinastia Shang floresceu; seus avanços incluem a fundição de bronze para a confecção de vasilhames sagrados e armas, o desenvolvimento de um sofisticado sistema de escrita e intrincadas esculturas de jade e marfim. Ainda há dúvidas sobre o tamanho e a extensão do reino Shang, mas provavelmente tinha cerca de 650 mil km². Por volta de 1046 a.C, os governantes do reino de Zhou, que controlavam um território ao norte do rio Yang-tsé, assumiram o lugar dos dirigentes shang, formando uma dinastia que sobreviveu por 800 anos 9ª mais duradoura da história chinesa). Em 771, a capital do reino foi transferida de Hao para Luoyang. A partir de então, lutas entre reinos e senhores feudais mantiveram a china dividida (um sistema feudal foi imposto à China mais de mil anos antes que o mesmo sistema social se desenvolvesse na Europa). Durante a dinastia Zhou, forma inventadas tabelas de multiplicação e ocorreram avanços na fundição de ferro e na produção agrícola. Os Cinco Clássicos do Confucionismo foram compilados nesse período – e estudados desde então por centenas de eruditos chineses.



Europa =


A CIVILIZAÇÃO MINOICA

A civilização minoica, que surgiu na ilha de Creta entre 3000 a.C e 1450 a.C, foi a primeira civilização a emergir na Europa 9e a primeira no mundo a não se desenvolver na planície de inundação de um rio). Os minoicos deixaram um legado de grandes palácios, cerâmicas finas e utensílios de ouro e bronze. As lendas gregas falam de uma terra dourada e perdida chamada Minoa. Em sua ilha montanhosa, os minoicos cultivavam azeitonas, trigo e uvas, criavam carneiros nos pastos das montanhas e pescavam. Grande parte da produção era exportada para terras distantes, como Egito, Síria e Chipre. Por volta do ano 2000 a.C, as riquezas geradas por esse intenso comércio propiciaram o desenvolvimento de cidades e portos, dominados pelos magníficos palácios de Cnossos, Malia, Festos e Zakros. O maior deles, o de Cnossos, foi descoberto em 1900 d.C pelo arqueólogo inglês Arthur Evans (antes, nada se conhecia sobre a civilização minoica). Os minoicos aparecem em algumas lendas gregas, entre elas a do Minotauro (o touro era um animal sagrado para os minoicos). Esse povo também desenvolveu escrita baseada em símbolos silábicos, ainda não decifrada, conhecida como linear A. Por volta de 1700 a.C, quase todos os palácios minoicos haviam sido destruídos pelo fogo, como resultado de guerras ou terremotos, mas logo foram reconstruídos. Posteriormente, os minoicos começaram a produzir cerâmicas e afrescos de excelente qualidade. Em torno de 1500 a.C, uma enorme erupção vulcânica na ilha de Thera (hoje Santorini) produziu um maremoto que devastou mais uma vez as cidades e os palácios minoicos, destruindo a maioria de seus barcos. Porém tudo foi reparado, e Creta permaneceu próspera por muitos anos. A civilização minoica chegou ao fim aproximadamente em 1450 a.C, quando os micenianos assumiram o controle do mar Egeu.


A CIVILIZAÇÃO MICÊNICA

Os micenianos constituíam um povo próspero, artístico e aguerrido. Viviam na planície de Argos, na Grécia continental, e, assim como os minoicos, eram uma civilização egeia. O período de grandeza se iniciou por volta do ano 1600 a.C, quando os micenianos começaram a construir pequenas cidades fortificadas, com destaque para Tirinto, Pilos e Micenas. A maioria delas – construídas em fortalezas naturais e cercadas por sólidos muros defensivos – abrigava palácios destinados à realeza. Por volta do ano 1450 a.C, os micenianos ocuparam Creta e se apossaram do comércio marítimo dos minoicos, viajando até a Ásia Menor e a Síria, e comerciando com a Sicília e a Itália. Também deram início ao processo de colonização grega (que atingiu o apogeu no período Clássico da Grécia), estabelecendo-se em Rodes, Chipre e no sudoeste da Anatólia. Os micenianos converteram a escrita minoica em uma forma de grego, que acabou sendo traduzida, revelando que os micenianos adoravam muitos dos deuses gregos clássicos, inclusive Poseidon, Apolo e Zeus. A temática bélica se destacava na arte micênica – que recebeu muitas influências minoicas, embora conservando suas características -, estando presente em vasilhames, armaduras, armamentos e máscaras de ouro. Os micenianos também são famosos por seus túmulos em forma de poços. Por volta do ano 1200 a.C, segundo algumas lendas, os micenianos saquearam Troia (situada na costa egeia da Anatólia), embora seja provável que a amplitude dessa expedição tenha sido muito exagerada no relato feito por Homero na Ilíada. A civilização miceniana ruiu por volta de 1120 a.C. De modo geral, não se sabe o que provocou sua queda, mas esta ocorreu durante um período de muitos distúrbios no leste do Mediterrâneo (o Império Hitita desapareceu em 1205 a.C) e pode estar relacionada com as invasões promovidas pelos Povos do Mar Egeu.



As Américas =


AS CIVILIZAÇÕES OLMECA E CHAVÍN

A primeira civilização reconhecida a surgir na América Central ocupou as terras baixas e pantanosas de Veracruz, na costa leste do México e do golfo do México. Ruínas de vilarejos, fragmentos de cerâmica e vestígios de agricultura indicam que desde o segundo milênio antes de Cristo ocorriam na América Central atividades humanas organizadas. Dessas atividades brotou a civilização olmeca, aproximadamente em 1500 a.C. Os assentamentos mais importantes parecem ter sido grandes sítios cerimoniais, onde foram encontradas pirâmides de terra, juntamente com gigantescas cabeças esculpidas em pedras, que se acredita serem representações dos governantes. Esses sítios cerimoniais eram habitados por milhares de pessoas. Um dos maiores estava situado em La Venta, e sobreviveu até o ano 400, sustentando uma próspera comunidade de lavradores, pescadores, comerciantes e artesãos. Durante séculos após o ano 800 a.C, o estilo característico da arte olmeca (que frequentemente misturava figuras de crianças com formas semelhantes a jaguares) se difundiu pela América Central, chegando até ao que é hoje El Salvador. A cultura olmeca desapareceu por volta do ano 400 a.C., absorvida por civilizações mais modernas, como a dos maias. Mistérios ainda rondam os olmecas, pois ninguém sabe que idioma falavam nem o que, exatamente, provocou seu desaparecimento. Muito mais ao sul, no Peru, a civilização chavín, sediada no centro cerimonial de Chavín de Huantar, no alto dos Andes, floresceu de 900 a.C a 200 a.C. A população de Chavín possuía alto nível de proficiência nos trabalhos em pedra e um estilo artístico que se difundiu por grande parte da região andina. Duzentas esculturas de pedra finamente trabalhadas foram descobertas em Chavín de Huantar, que deve ter sido um centro de peregrinação para os habitantes de todo o Peru.



------------------------------




O MUNDO ANTIGO   800 a.C – 400 d.C


Oriente Médio e África:

O IMPÉRIO AQUEMÊNIDA

Em 559 a.C, um jovem rei chamado Ciro II (o Grande) chegou ao poder na Pérsia. Ao longo da década seguinte, construiu um império que chegou a dominar um quinto da população mundial. Essa dinastia de reis persas foi chamada de Aquemênida, em homenagem a Aquêmenes, o fundador da dinastia. Por volta de 549 a.C, Ciro mobilizou seu povo e conquistou as terras dos medos, que habitavam o Norte do Irã e controlavam a Pérsia, obtendo a Assíria nesse processo. Dois anos depois, os poderosos exércitos de Ciro dominaram as cidades jônicas da Ásia Menor e, em 539 a.C, capturaram a Babilônia e a Palestina – para onde Ciro permitiu que os judeus exilados voltassem e reconstruíssem seu Templo em Jerusalém. Pouco antes de morrer, em 529 a.C, ele já havia expandido seu império até as fronteiras da Índia. Na época do rei Dario I (522-486 a.C), as fronteiras da Pérsia incluíam o Egito e se estendiam do Norte da Índia, a leste, até a Turquia, a oeste, colocando a Pérsia em pé de igualdade com a Assíria, o maior império que o mundo já vira até então. Para manter o controle de seus vastos domínios, Dario I estabeleceu um eficiente sistema de taxas administrativas e construiu, no ano 500 a.C, uma estrada de 2.400 km, de Susa, no atual Irã, a Éfeso, na Turquia. Foi aproximadamente nessa época que a antiga religião persa do zoroastrismo se firmou. Surgida no Irã por volta do ano 600 a.C, seus conceitos de ressurreição, julgamento final, céu e inferno iriam influenciar o islamismo, o judaísmo e o cristianismo, religiões que se tornaram mundiais. No ano 500 a.C, os gregos jônicos se rebelaram. Em 490 a.C, Dario enviou um exército para Atenas para que a cidade-estado fosse punida por estar ajudando os rebeldes. Conseguiu reprimir as revoltas, mas foi derrotado pelos gregos, mais tarde, na famosa Batalha de Maratona, que desencadeou as chamadas Guerras Persas, travadas entre a Grécia e a Pérsia. Tentando obter o controle da Grécia, Xerxes, o sucessor de Dario, incendiou Atenas em 480 a.C, mas acabou sendo derrotado naquele mesmo ano. Tal derrota assinalou o início do declínio persa, completado em 330 a.C, quando o império foi conquistado por Alexandre, o Grande.



O IMPÉRIO PARTA

Após o período em que foi controlado por macedônios e gregos (conhecido como Império Selêucida), o Irã caiu em 247 a.C sob o domínio da Pártia, um pequeno reino no Nordeste da Pérsia. Ao longo dos séculos seguintes, os partas construíram um império (também conhecido como dinastia arsácida), que em seu apogeu se estendia das margens do Eufrates até as do Indo. Situado na Rota da Seda, que ligava a China ao Império Romano, o Império Parta se tornou um polo comercial. Entre os governantes partas se destacam Mitridates I (171-138 a.C), que se espelhava no grande imperador Dario I, e os poderosos reis Mitridates II (123-88 a.C) e Fraates III (70-57 a.C). Os partas eram cavaleiros e guerreiros notavelmente hábeis – os arqueiros conseguiam desferir flechadas enquanto cavalgavam (técnica conhecida como “disparo parta”), o que lhes dava grande vantagem nos campos de batalha. O Império Parta adotava uma mistura de culturas – persa, grega e regional -, embora a corte arsácida, que retivera muitas influências gregas, acabasse reincorporando gradativamente as tradições iranianas. Ao se expandir para o oeste, a Pártia entrou em conflito com Roma, inicialmente pelo controle da Armênia. No ano 53 a.C, na Batalha de Carras, os partas infligiram uma retumbante derrota a Marcus Licinius Crassus, no que foi considerado um dos maiores desastres militares da história de Roma: um exército romano de 44 mil soldados foi posto em fuga, e apenas 10 mil escaparam com vida. Essa batalha encerrou de maneira definitiva as ambições de Roma a leste. Nas guerras entre romanos e partas que se seguiram (66 a.C – 217 d.C), alguns imperadores romanos invadiram a região, chegando em uma ocasião a tomar Ctesifonte, a capital da Pártia. Por fim, a instabilidade do país e as guerras entre seus próprios dirigentes provocaram o colapso do império, que em 224 d.C foi conquistado pelos persas, comandados por Ardacher I, um senhor da guerra oriundo da província de Fars, no atual Irã, e fundador da dinastia sassânida.



O IMPÉRIO SASSÂNIDA

Estabelecido por Ardacher I em 224 d.C, o Império Sassânida é considerado um dos períodos mais importantes e influentes da história iraniana. Foi o momento em que a antiga cultura persa (anterior às conquistas muçulmanas) atingiu o apogeu. A corte sassânida, sediada na cidade de Ctesifonte, tornou-se o centro de uma cultura brilhante em que os sábios estudavam astronomia, artes, medicina e filosofia, e as pessoas se envolviam em passatempos como jogos de xadrez e polo. A arte sassânida influenciou fortemente a arte islâmica, e seu impacto foi sentido na china, na Ásia central e na Europa ocidental. Os sassânidas também se tornaram famosos por suas esculturas em pedra. A consolidação do império, que se estendia do deserto sírio até o noroeste da Índia, provocou guerras constantes, sobretudo com romanos, hunos, turcos e bizantinos. Durante a conquista da Armênia, o rei Sapor I (240/42-272 d.C) ficou famoso por sua vitória na Batalha de Edessa, em 260 d.C, e pelo aprisionamento do imperador romano Valeriano. Em 296 d.C, os romanos recuperaram a vantagem, e os sassânidas foram expulsos da Armênia e da Mesopotâmia. Politicamente, o controle do império flutuou entre o poder central de monarcas poderosos (como Cosroés I, que morreu em 579 d.C) e o poder local de nobres destacados. No século VII, antes das conquistas árabes, o império se desintegrou e o zoroastrismo acabou declinando.



OS HEBREUS E SEU “DEUS ÚNICO E VERDADEIRO”

Os hebreus eram nômades semitas que emigraram para Canaã vindos do leste, no final do segundo milênio a.C. Após derrotar os filisteus (“Povos do Mar” que se estabeleceram na costa da Palestina), o rei Davi (1006-962 a.C), com a ajuda do rei fenício Hiram, de Tiro, constituiu uma Palestina unificada, tendo Jerusalém como capital religiosa e política. Após 930 a.C, no entanto, o país foi novamente dividido: Israel, ao norte, e Judá, incluindo Jerusalém, ao sul. Em 721 a.C, a Assíria assumiu o controle de Israel. Por volta de 586 a.C, Judá caiu sob o domínio dos babilônios, e nesse período Jerusalém foi destruída. Seus habitantes foram levados cativos para a Babilônia, onde começaram a escrever sua história, no que viria a ser a Torá e os primeiros livros da Bíblia. Em 538 a.C, quando a Babilônia foi conquistada pelos persas, os judeus receberam permissão para retornar a Jerusalém, onde os fundamentos religiosos e políticos do judaísmo foram estabelecidos. Alguns judeus decidiram permanecer na Babilônia, formando assim a primeira diáspora judia. A essa altura, os judeus haviam desenvolvido forte senso de identidade como povo escolhido ´por Deus Todo-Poderoso, o “Deus único e verdadeiro”, que, conforme as Escrituras, apareceu para o pastor Abraão na primeira metade do segundo milênio a.C. Essa adoração a um único deus, conhecida como monoteísmo, influenciaria o cristianismo e o islamismo, que também partilham o mesmo ancestral: Abraão. Na Bíblia, Jesus é descendente de Abra~~ao, enquanto na tradição muçulmana Abraão é o “Pai dos Profetas” e antepassado dos povos árabe e judeu. Em 333 a.C, Alexandre o Grande conquistou a Palestina. A partir de então a região teve diversos governos, entre eles os impérios romano, sassânida e bizantino. A presença dos judeus foi diminuindo na região, enquanto a Galileia se tornava o principal centro da religião judaica. No ano 636 d.C , os árabes conquistaram a Palestina, que permaneceu sob o controle muçulmano por 1.300 anos.



O NASCIMENTO DO CRISTIANISMO

Por volta do ano 30 d.C, um carpinteiro judeu chamado Jesus, que vivia na Galileia, situada na Palestina judia (então província romana), começou a pregar sobre Deus, a quem todos deveriam obedecer. Seus ensinamentos se tornaram populares, e Jesus logo conseguiu muitos seguidores (12 dos quais, conhecidos como apóstolos, escolheu para difundir sua mensagem). Jesus falava de um deus compassivo e misericordioso, um deus de todos os homens e raças, para quem os princípios da caridade, da humildade e da sinceridade superavam os das cerimônias rituais. Seus ensinamentos o colocaram em conflito com as autoridades, que o viam como um subversivo político e social. Em Jerusalém, foi condenado à morte pelo Sinédrio, a mais alta corte judia, que o levou até Pôncio Pilatos, o governador romano, que determinou que Jesus fosse crucificado. Três dias após a crucificação, os seguidores de Jesus anunciaram que ele ressuscitara, o que justificou a crença de que ele era o Messias, ou Cristo (“O Ungido”, em grego). Ao longo dos dois séculos seguintes, seus ensinamentos, consagrados nos quatro evangelhos do Novo Testamento, se propagaram no mundo romano.  Esse processo foi impulsionado em grande parte pelos textos de um antigo fabricante de tendas da Ásia Menor, mais tarde conhecido como São Paulo, que escreveu 13 dos 27 livros do Novo Testamento. Os imperadores romanos tentaram erradicar aquele novo e perigoso culto com perseguições generalizadas – principalmente sob o governo de Décio, em 250 d.C, e de Diocleciano, em 303-11 d.C Mas foi em vão. Por fim, em 313 d.C, o imperador Constantino promulgou um decreto de tolerância ao cristianismo. E a partir de 324 d.C iniciou um processo para transformar o cristianismo na religião oficial do Império Romano (terminado em 381 d.C, no Concílio de Constantinopla). Subsequentemente, o cristianismo se difundiu na Europa e em outros continentes, tornando-se uma importante influência na formação da civilização ocidental.



O REINO DE CUCHE

O Reino de Cuche – o Estado africano mais importante da Antiguidade depois do Egito – surgiu nas terras altas da Núbia (hoje Sudão) e adquiriu tanto poder que dominou o Antigo Egito por mais de 100 anos. Aproximadamente a partir do ano 2000 a.C, o reino foi em grande parte dominado pelo Egito, o vizinho do Nordeste, o que não impediu os cuchitas de desenvolver uma cultura rica e própria. Por volta do ano 1000 a.C, com o enfraquecimento da influência egípcia, os governantes cuchitas conseguiram uma independência nominal, e por volta de 800 a.C surgiu um novo Reino de Cuche, com capital em Napata. Em 715 a.C, os cuchitas, sob a liderança dos reis Piye e Shabaka, conquistaram o Egito e derrubaram a dinastia egípcia reinante. Até 654 a.C eles governaram o país como faraós, possivelmente a partir de Mênfis, sua nova capital. Então, uma invasão assíria lhes forçou a retirada para Cuche. A civilização cuchita, entretanto, continuou a prosperar. Por volta de 591 a.C, a capital do país foi transferida para a cidade de Meroé, ao sul. Localizada na margem leste do Nilo e próxima ao mar Vermelho, a capital se tornou um centro de comércio – com destaque para os artigos de luxo produzidos localmente, confeccionados em ébano, ouro e marfim – e uma grande cidade, com templos e palácios.  Meroé dispunha de ricos suprimentos de minério de ferro e madeira, o que propiciou o surgimento de uma das mais antigas indústrias de fundição de ferro da África. Os cuchitas estão também entre os primeiros povos a desenvolver uma escrita alfabética 9ainda não decifrada). No século III a.C, a civilização cuchita começou a declinar, provavelmente porque os recursos naturais se exauriram e ela perdeu postos de comércio no mar Vermelho para Axum, um reino vizinho (que em 350 d.C, acabou invadindo Cuche e destruindo Meroé).



A ERA CARTAGINESA


A cidade de Cartago, situada na costa da atual Tunísia e fundada pelos fenícios em 814 a.C, cresceu rapidamente e se tornou uma das maiores cidades da costa norte-africana. Sua fundação é a base de várias lendas, em particular a que inspirou o poeta romano Virgílio em sua obra Eneida, na qual a rainha Dido, após fugir da cidade fenícia de Tiro, funda Cartago. Por volta de 600 a.C, Cartago se libertou do controle fenício e tornou-se um importante centro mercantil, ligando o interior africano com o mundo mediterrâneo. Sua riqueza se baseava na navegação e no comércio, além da exploração de minas de prata no Norte da África e Sul da Espanha. Os interesses de Cartago no Norte da África, na Espanha e na Sicília (onde estabeleceu colônias) acabaram lhe acarretando conflitos, primeiro com a Grécia, no século V, e depois com Roma, nas Guerras Púnicas, que se iniciaram em 264 a.C. Na segunda Guerra Púnica (218-201 a.C) o exército de Cartago foi liderado pelo comandante da Espanha, Aníbal, que atravessou os Alpes com suas tropas e 40 elefantes em direção a Roma, em uma campanha que se tornou famosa. Sua maior vitória foi em Canas, no ano 216 a.C, quando 60 mil soldados romanos foram mortos. Aníbal, entretanto, não conseguiu destruir Roma. No final da terceira Guerra Púnica (146 a.C), os romanos destruíram Cartago, que teve 200 mil de seus habitantes massacrados e os 50 mil restantes vendidos como escravos. Cartago foi reconstruída como cidade romana, e assim prosperou, tornando-se um dos maiores centros do cristianismo.  Em 533 d.C, foi incorporada ao Império Bizantino, mas acabou sendo destruída pelos árabes em 705 d.C, substituída pela cidade de Túnis.



Extremo Oriente:

O BUDISMO

A fé budista tem origem nos ensinamentos de Sidarta Gautama, nascido em 563 a.C no Norte da Índia. Gautama provinha de família abastada, mas aos 29 anos decidiu renunciar às riquezas e viver como mendigo, de modo a poder procurar o verdadeiro sentido da vida. Em 528, sentado sob uma figueira, ele encontrou a Iluminação. Desde então dedicou sua vida a ensinar aos outros o que havia aprendido. O tema central de seus ensinamentos (o darma) e do budismo postula que todos os fenômenos estão ligados por uma cadeia de dependência; que o sofrimento do mundo é causado pelo desejo egoísta; que alguém só se liberta do ciclo de renascimento caso siga o caminho do Buda, e que o objetivo da vida é alcançar o estado de “nirvana”, literalmente a “extinção do desejo”. Sidarta Gautama tornou-se conhecido como o Buda (“o Iluminado”). Após sua morte, por volta de 482 a.C vários monges difundiram seus ensinamentos no Norte da Índia. No século III a.C, Asoka imperador indiano da dinastia Maurya, ajudou a levar o budismo até o Ceilão (Sri Lanka), no sul, e à Caxemira, no norte; enviou também missionários ao Sião (hoje Tailândia) e à Birmânia (hoje Mianmar), e ainda mandou construir vários monumentos e monastérios budistas. Aproximadamente em 150 d.C, o comércio entre a Índia e a China levou monges maaianas até a China, onde ministraram os ensinamentos do Buda. No século III d.C, textos fundamentais do budismo foram traduzidos para o chinês, e nos séculos IV e V, o budismo tornou-se a fé predominante na China. O budismo foi levado à Coreia no século IV e difundido no Japão entre os anos 550 d.C e 600 d.C. Paralelamente, declinou na Índia, substituído em grande parte pelo hinduísmo.



OS IMPÉRIOS MAURYA E GUPTA E A ERA DOURADA DA ÍNDIA

Importante e politicamente poderoso, o Império Maurya (321-185 a.C) foi o primeiro exemplo de um sistema de Estados no subcontinente indiano. Foi fundado por Chandragupta Maurya, que conquistou o Reino de Nanda, no Nordeste da Índia, e, em 305 a. C, assumiu o controle de algumas províncias do Afeganistão e de grande parte do atual Paquistão, após uma vitória sobre Seleukos, ex-general de Alexandre, o Grande. O filho de Maurya dominou a maior parte do Sul da Índia, e seu neto, Asoka, após conquistar o pequeno Reino de Kalinga, dedicou boa parte de seu reinado a promover o budismo. Após a morte de Asoka, em 232 a.C, o império se fragmentou em pequenos reinos, como os principados gregos do Punjab, em 170 a.C, e, em 50 d.C, o Império Kushana, no Norte da Índia. Este último acabou se tornando vassalo do Império Sassânida em 240 d.C. Em 320 d.C, Chandragupta I, governante do Reino de Magadha, aumentou seu império, que, sob os reis guptas subsequentes, cresceu até englobar a maior parte da Índia. A dinastia Gupta é frequentemente chamada de “Era de Ouro da Índia”, pois foi um longo período em que a arte, a arquitetura e a literatura floresceram em um ambiente de paz e prosperidade. Templos e palácios deslumbrantes foram construídos e surgiu uma notável literatura em sânscrito, como as histórias épicas do Mahabharata e do Ramayana, fundamentais para o desenvolvimento do hinduísmo e até hoje encontradas e reencenadas no sudeste da Ásia. Os guptas, ao que tudo indica, são também responsáveis pelo desenvolvimento do bramanismo como conceito teológico. Além disso, os guptas inventaram o método de escrever números que é erroneamente chamado de arábico – os árabes apenas o repassaram aos europeus -, o sistema numérico decimal e o conceito de zero. O Império Gupta acabou ruindo no século VI, em grande parte devido às invasões dos hunos, originários da Ásia central.



AS DINASTIAS CHIN E HAN DA CHINA E CONFÚCIO

Entre 485 a.C e 221 a.C, a China encontrava-se dividida em diversos reinos e Estados, entre eles o de Zhou, que competiam entre si. Nesse contexto, surgiu o Reino de Chin (do qual se deriva o nome China), que em 221 a.C formou o primeiro império unido da China. O imperador Chin instituiu uma rígida forma de governo, e estabeleceu um sistema unificado de escrita, pesos e medidas. Preocupado com as tribos errantes do Norte, mandou edificar a Grande Muralha da China (interligando muralhas defensivas anteriores) e ordenou a confecção de estátuas em tamanho natural de todo um exército, o que se tornou conhecido como “o Exército de Terracota”. A dinastia Chin só existiu até o ano 207 a.C, mas durante seu breve governo estabeleceu as fronteiras aproximadas e os sistemas administrativos básicos da China moderna. A dinastia Han, que durou muito mais tempo (206 a.C – 220 d.C), consolidou firmemente a cultura chinesa (de modo que han se tornou a palavra chinesa para pessoas dessa etnia). As artes cênicas floresceram, assim como a pintura, a escultura e o desenho; grandes avanços foram feitos nos campos da ciência e da tecnologia. Muitas dessas inovações permaneceram por algum tempo desconhecidas do mundo ocidental, como o papel, o relógio de sol, o sismógrafo e a bússola. Os dirigentes Han estenderam as fronteiras visando incluir a Coreia e partes do Vietnã, e intensificaram os contatos com o mundo além-fronteiras, principalmente ao longo da estrada comercial de 6.500 km conhecida como Rota de Seda através da qual os mercadores chineses transportavam tecidos de seda para o mundo ocidental, desde cerca do ano 100 d.C. Os Han deram continuidade à forma de governo altamente centralizada dos Chin, embora seus líderes fossem ensinados a respeitar os ensinamentos do grande filósofo chinês Confúcio (551-479 a.C). A ideologia confuciana enfatizava a moderação e a virtude acima do ganho individual e a possibilidade de se moldar o próprio destino, entre outras ideias corporificadas em um código social e uma filosofia influentes ainda hoje na China, Coreia, Japão e Vietnã. A partir de 189 d.C, o Império Han começou a ruir, subdividindo-se em governos regionais disputados por senhores da guerra.



Europa:

OS ESTRUSCOS E A FUNDAÇÃO DE ROMA

Os etruscos eram habitantes da antiga Etrúria (que corresponde de forma aproximada à moderna Toscana, na Itália), cujas cidades-estado formavam uma frouxa aliança. A cultura etrusca se desenvolveu na Itália a partir de 800 a.C. Nos séculos VI e VII a.C, os etruscos dominavam grande parte da Itália central. A origem dos etruscos permanece um mistério. Uma das teorias é a de que eles vieram da Ásia, em seguida ao colapso do Império Hitita. Os etruscos utilizavam um alfabeto derivado do grego, mas seu idioma ainda não foi decifrado. Ricos vestígios arqueológicos, no entanto, testemunham uma forte tradição, que incluía impressionantes trabalhos em bronze e esculturas figurativas. Sua arte e arquitetura tiveram grande influência sobre Roma. Foram o primeiro povo a construir cidades inteiras com traçado ortogonal, e suas mulheres participavam livremente da vida pública. Eram também conhecidos por seu poder naval. No final do século VI a.C, no entanto, os etruscos acabaram expulsos do sul da Itália central pelos gregos (que lá haviam estabelecido a Magna Grécia), juntamente com as antigas tribos indo-europeias dos latinos e samnitas. A cidade de Roma – fundada em 753 a.C, de acordo com a tradição romana – foi estabelecida por diversas comunidades, inclusive etruscos e latinos. Rômulo, seu primeiro rei e fundador, foi sucedido por seis reis que eram tanto de origem latina quanto etrusca. Segundo a lenda, em 509 a.C o tirânico governo de Tarquínio, o Soberbo, que era etrusco, levou a população de Roma a expulsá-lo da cidade. Após esse fato, os romanos instauraram uma república. Em 474 a.C, a armada da Etrúria foi derrotada por uma coalizão de cidades da Magna Grécia, na Batalha de Cumas. A partir de então a civilização etrusca começou a sofrer um longo declínio, até ser finalmente anexada pela república romana, em meados do século III a.C.



A GRÉCIA ANTIGA E O NASCIMENTO DA DEMOCRACIA

Os anos mais obscuros que se seguiram à queda da civilização miceniana acabaram levando ao surgimento de poderosas cidades-estado na Grécia. As realizações científicas e culturais da Grécia antiga iriam se difundir por um vasto território, influenciando profundamente o Império Romano e a civilização ocidental. No início de 730 a.C, as cidades gregas começaram a se desenvolver, assim como seu comércio marítimo e a produção agrícola. Isso foi propiciado, em parte, pelo Império Assírio cada vez mais poderoso e ávido por produtos importados. Foi assim que as cidades gregas se transformaram em cidades-estado, com Atenas, Esparta, Corinto e Tebas despontando como as mais poderosas no Período Arcaico (650-480 a.C). Frequentemente em guerra, essas cidades-estado se encontravam pacificamente de quatro em quatro anos no mais prestigioso evento esportivo da Grécia: os Jogos Olímpicos. O aumento do comércio deu origem a um sistema flexível de escrita (que adaptou e aprimorou o alfabeto fenício) e a uma alfabetização generalizada. O Período Arcaico da Grécia assistiu à criação dos poemas épicos de Homero, “Ilíada” e “Odisseia”, ao desenvolvimento da teoria matemática de Pitágoras e ao estabelecimento de colônias gregas e centros de comércio em terras distantes, como o Egito, Bizâncio e Siracusa, na Sicília. O Período Clássico (480-336 a.C) é conhecido como a época mais importante da história grega. Constituída por algumas centenas de cidades-estado, a Grécia era governada pela mais poderosa delas, Atenas. Durante esse período, os gregos repeliram as tentativas dos persas de anexar seu território, como na famosa Batalha de Maratona, no ano 490 a.C. Em celebração à vitória grega foi construído o Partenon.  No século V a.C, Atenas repeliu com sucesso uma invasão espartana; em seguida, em uma tentativa de evitar um governo tirânico por parte de ricos proprietários de terras da região, a população ateniense instituiu a primeira democracia do mundo (a palavra democracia vem do grego demokratía, “governo do povo”), na qual todos os cidadãos tinham direitos iguais – exceto mulheres, escravos, crianças e estrangeiros, que perfaziam 85 a 90% da população. A Guerra do Peloponeso, travada entre Atenas e Esparta de 431 a 404 a.C, terminou com a vitória de Esparta, que se tornou a força dominante na região. Atenas jamais recuperou sua antiga prosperidade. No ano 411 a.C, a democracia ateniense foi derrubada.



ALEXANDRE, O GRANDE E O PERÍODO HELENISTA

Em 339 a.C, a conquista da Grécia por Filipe II, da Macedônia (um reino vizinho governado por uma aristocracia militar), marcou o início do que iria se tornar o Período Helenista da Grécia (323-30 a.C). Soldado excepcional. Filipe II revolucionou as operações militares na Grécia mediante a utilização da cavalaria e de técnicas de cerco (usadas somente pela Assíria). Filipe foi assassinado em 336 a.C, e seu sonho de conquistar o Império Persa continuou com seu filho de 21 anos, Alexandre III – aluno de Aristóteles, o grande filósofo macedônio. -, que mais tarde seria conhecido como Alexandre, o Grande. Herdando o excelente exército de seu pai, Alexandre iniciou uma campanha que durou 11 anos, e criou o maior império que o mundo já vira, firmando-se como um dos maiores gênios militares da história. Após assumir o trono, invadiu a Pérsia e derrotou o rei Dario na Batalha de Isso, em 333 a.C (libertando as cidades gregas da Anatólia). Depois controlou a Síria, destruiu a cidade fenícia de Tiro e conquistou terras longínquas, como o Egito e o noroeste da Índia. O idioma e a cultura gregas se difundiram simultaneamente nesses vastos territórios. No Egito, Alexandria (fundada por Alexandre em 332 a.C) e Antioquia, na Síria, transformaram-se em dois grandes centros de difusão da cultura helênica, enquanto a influência das cidades-estado gregas entrava em declínio. Após sua morte, em 323 a.C, grande parte do império foi dividido em reinos, cada um governado por um general macedônio, entre eles Ptolomeu (que governou de 323 a 285 a.C), cuja dinastia no Egito durou quase 300 anos, até o país ser anexado por Roma no ano 30 a.C, e Seleuco (que governou de 312 a 281 a.C), cujos descendentes governaram da Trácia às fronteiras da Índia até meados do século II a.C, quando foram expulsos pelos partas.



A REPÚBLICA ROMANA

No ano 509 a.C, os nobres de Roma transformaram o reino em uma república governada por dois cônsules eleitos por um senado. A civilização que surgiria dessa antiga cidade – suas realizações culturais, linguísticas e tecnológicas – duraria por mais de mil anos e, a certa altura, incluiria grande parte da Europa, o Norte da África e o Oriente Médio. Nos séculos que se seguiram a 509 a.C, Roma foi se tornando mais poderosa. Em 272 a.C, após derrotar os etruscos, os samnitas e os colonos gregos da Itália (e de construir a Via Ápia, uma de suas estradas mais famosas), assegurou o domínio da península itálica. Conflitos com Cartago deflagraram as Guerras Púnicas (264-146 a.C), nas quais despontou o general cartaginês Aníbal. Em 146 a.C, entretanto, os romanos destruíram Cartago e se apoderaram de diversos territórios da Sicília, Espanha e do Norte da África. Depois, com as quatro Guerras Macedônicas, estenderam seu poder até a Macedônia, Grécia e partes da Anatólia. Porém, os poderosos partas, na Pérsia, bloquearam sua expansão ao leste. Entre 58 e 50 a.C, o general romano Júlio César conquistou toda a Gália. Seus sucessos militares residiam menos em sua cavalaria e armamentos que em suas táticas, disciplina e engenharia militar. Após um período de guerra civil em Roma, César declarou-se ditador vitalício da república. A reação dos senadores foi esfaqueá-lo publicamente até a morte, em 44 a.C. Tal fato deu início a um acirramento da briga pelo poder, até que Otaviano, filho adotivo de Júlio César, derrotou o general Marco Antônio e a rainha Cleópatra na Batalha de Áccio, em 31 (anexando o Egito). Em 27, Otaviano forçou o Senado a agracia-lo com um novo nome, Augusto – que significa majestoso, venerável. Com a república agora morta, Augusto governou Roma (27 a.C – 14 d.C) como seu primeiro imperador.



O IMPÉRIO ROMANO

A implantação do império trouxe paz e estabilidade a Roma. Milhares de soldados romanos guardavam suas fronteiras, enquanto imperadores e administradores construíam estradas e grandes cidades, servidas por elaborados sistemas de água e esgoto. O sistema jurídico e administrativo e um idioma comum (latim no Oeste e, mais tarde, grego no Leste) mantinham a unidade territorial. O comércio e a influência de Roma iam muito além das fronteiras do império, alcançando a Índia, a Rússia, a Ásia e, através da Rota da Seda, a China. Os imperadores romanos diferiam em capacidade. Cláudio (41-54 d.C) conquistou a Grã-Bretanha em 43 d.C; Nero (54-68 d.C) foi um tirano cruel, que ordenou a queima de cristãos. Trajano (98-117 d.C) expandiu o império até seu tamanho máximo; Adriano (117-138 d.C) limitou uma expansão maior, construindo uma muralha com seu nome, no Norte da Grã-Bretanha. Em 286 d C, com propósitos administrativos, o imperador Diocleciano dividiu o império em duas partes: a oriental e a ocidental (que deveriam, porém, ser consideradas como partes de um todo indivisível). Em 324 d.C, o imperador Constantino reunificou o império, estabeleceu a cidade de Bizâncio como sua capital e a renomeou como Constantinopla, fundando assim o Império Bizantino. No final, o próprio tamanho do império acarretou sua queda. A partir de ano 180 d.C, Roma entrou em um período de instabilidade, e suas tropas começaram a enfrentar uma crescente oposição na Europa e na Ásia (notavelmente em 260 d.C, quando o Império Sassânida derrotou e aprisionou o imperador Valeriano na Batalha de Edessa). Em 396 d.C, o império foi novamente dividido em dois, com a metade leste cada vez mais enfraquecida por batalhas contra invasores oriundos da Europa central. No século V d.C, tribos germânicas cruzaram o rio Reno e penetraram o império, saqueando Roma três vezes. O Império Romano do Ocidente desmoronou finalmente em 476 d.C, em seguida à abdicação de Rômulo Augusto, último imperador romano.



OS CELTAS


Os celtas eram tribos indo-europeias que por volta do ano 500 a.C habitavam o sudoeste da Alemanha, o nordeste da França (onde eram conhecidos como gauleses) e a Boêmia. Cavaleiros e metalúrgicos habilidosos, os celtas devem ter vivido originalmente na região do mar Cáspio. Os mais antigos registros arqueológicos que se conhecem dos celtas – túmulos de chefes em Hallstatt, Áustria – datam de 700 a.C. Escavações arqueológicas revelaram que os celtas formaram uma das primeiras culturas da Idade do Ferro na Europa, e que comerciavam com a Grécia antiga e a Etrúria. Por volta de 400 a.C, tribos celtas entraram na Itália, estabelecendo-se no vale do Rio Pó e saqueando Roma em 390 a.C. Ao mesmo tempo, outras tribos celtas rumavam para o sul, invadindo a França e a Espanha. A leste, penetraram a Anatólia (onde fundaram a Galácia), e a oeste, as Ilhas Britânicas. Entre meados do século V a.C e o século I a.C, o povo celta provavelmente atingiu o ápice de seu poder, com destaque para o estilo característico da cultura La Tene (padrões geométricos e desenhos estilizados de animais), presente em grande parte de suas joias e utensílios de metal. Os celtas, em sua maior parte, eram povos agrícolas que desenvolveram o arado puxado a bois em vez do equipamento manual, e cujos ritos religiosos eram conduzidos por sacerdotes, os druidas. Viviam em aldeias bem defendidas e fortalezas no alto de colinas. Não tinham, no entanto, um sistema de escrita nem coesão política. Assim, legiões romanas altamente treinadas e tribos germânicas acabaram por sobrepuja-los. Bolsões de cultura e língua celta sobreviveram apenas nas fímbrias da Europa: Bretanha, País de Gales, Escócia, Irlanda e Ilha de Man (o bretão, o galês, o gaélico escocês e o gaélico irlandês são línguas celtas).



As Américas:

CULTURAS PERUANAS

Os paracas, cuja cultura estava relacionada à civilização chavín, floresceram de 900 a 400, aproximadamente, na península desértica ao norte de Lima. Muito do que sabemos sobre os paracas provém das escavações feitas na década de 1920 d.C em Cerro Colorado, que revelaram túmulos em forma de poços, cada um contendo inúmeros corpos embrulhados em tecidos de textura intrincada. Esses túmulos revelam que os paracas seguiam elaborados ritos de sepultamento e mumificação, depositando cerâmicas e outras oferendas ao lado de seus mortos, e possivelmente secando ou defumando os corpos para preservá-los. De 100 a 800 d.C, outra civilização conhecida como moche, surgiu mais ao norte, em Sipán, na costa peruana. Os moches se destacavam por seus objetos de cerâmica detalhadamente pintados (e por produzi-los, pela primeira vez, através de moldes, permitindo assim a produção em massa de alguns tipos), por sua metalurgia e as monumentais construções em forma de pirâmides, conhecidas por huacas. A maior era a Huaca del Sol, que com 40 metros de altura foi a maior construção pré-colombiana no Peru. Os moches, que tinham sua cultura baseada na agricultura, desenvolveram sofisticadas técnicas de irrigação e introduziram o uso do guano (excremento de aves) como fertilizante.



OUTRAS CULTURAS NAS AMÉRICAS


Na América do Norte, prevalecia a vida nômade, características da Idade da Pedra, embora por volta do ano 500 a.C, surgissem novos métodos de agricultura, notadamente no vale do rio Ohio. Nessa região, os povos de cultura adena, que subsistiam em grande parte como caçadores-coletores, passaram a cultivar algumas plantas locais, como o girassol, abóbora e tabaco, usado em cerimônias. Costumavam erguer grandes montes de terra para enterrar seus mortos. Erguiam os montes também no formato de animais; alguns deles, como o Monte da Serpente, no sul de Ohio, perduram até hoje. Por volta do ano 200 d.C, os índios conhecidos como mogollon, que viviam nas montanhas a sudeste do Arizona e no sudoeste do Novo México, começaram a produzir objetos de cerâmica muito bem-feitos e ricamente pintados. Viviam em pequenos pueblos com casas semienterradas e, assim como os adenas, obtinham alimentos por meio da caça e da coleta. Suas pequenas comunidades duraram até 1450 d.C, aproximadamente. Mais ao sul, no México, por volta do século VIII d.C, a cidade hoje conhecida como Monte Albán foi uma das primeiras da América Central. Situada no alto de uma colina do estado de Oaxaca, surgiu como centro da antiga cultura zapoteca. Abrigava grandes praças, passagens subterrâneas, quadras para jogos com bolas e elaboradas sepulturas. Atingiu o apogeu entre os anos 400 e 500 d.C, mas foi abandonada por volta de 750 d.C.



( continua ... )

Akin Lan Feng
Admin

Mensagens : 42
Data de inscrição : 08/12/2008
Idade : 31

Ver perfil do usuário http://lobosdovento.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: História do Mundo

Mensagem  Akin Lan Feng em Dom Set 24, 2017 8:53 pm

Do Livro: Os 100 Maiores Líderes Militares da História , De: Nigel Cawthorne , Editora: Difel Bertrand Brasil




ANTIGUIDADE:

LEÔNIDAS DE ESPARTA "nós os combateremos à sombra."
- 494 aC : Os persas debelam a revolta grega na Jônia.
- 492 : A esquadra persa invasora é afundada por uma tempestade.
- 490 : Os persas são vencidos em Maratona.
- 489 : Leônidas é coroado rei de Esparta.
- 480 : Batalha das Termópilas ; Leônidas morre.

----

SUN TZU "conheça o inimigo e conheça a ti mesmo, e, assim, poderás lutar uma centena de batalhas sem ser derrotado."
- 400-330 aC
- Quarto século antes de Cristo: serve no exército do rei de Wu ; escreve A Arte da Guerra
- 760 dC : A Arte da Guerra é traduzido para o japonês.
- 1722 : Surge a edição francesa.
- 1782 : Nova edição francesa.
- 1782 : Nova edição francesa, que se acredita tenha sido lida por Napoleão.
- Usada por Mao Tsé-tung no controle da China pelo comunismo.
- Usadas pelo general Giap para derrotar os franceses e os norte-americanos na Indochina.

----

ALEXANDRE, O GRANDE "meu filho, procure um reino que lhe faça justiça, pois a Macedônia é muito pequena" (Filipe II)
- 356 aC : Nasce Alexandre, filho de Filipe II da Macedônia.
- 340 : Assume o comando enquanto o pai ataca Bizâncio.
- 338 : Comanda o flanco esquerdo na Batalha de Queroneia.
- 336 : Sucede o pai assassinado.
- 334 : Batalha de Granico.
- 333 : Batalha de Iso.
- 332 : Ataca Tiro e toma o Egito, onde funda Alexandria como sua capital imperial.
- 331 : Batalha de Gaugamela.
330 : Recebe o titulo de "o Grande" e é chamado de "Senhor da Ásia".
- 326 : Batalha de Hidaspes.
- 323 : Morre na Babilônia quando retornava à Macedônia.

----

ANÍBAL "ele jamais pediu aos outros que fizessem o que ele mesmo não poderia fazer e não faria." (cronista romano)
- 247 aC : Nasce em Cartago, no norte da África, filho de Amílcar Barca.
- 221 : Assume o comando das forças cartaginesas na Espanha.
- 218 : Cruza os Alpes.
- 217 : Derrota Caio Flamínio no lago Trasimeno.
- 216 : Inflige a maior derrota ao exército romano em Canas.
- 204 : Forçado a bater em retirada da Itália depois de um ataque a Cartago.
- 202 : Derrotado por Cipião, o Africano, em Zama.
- 196 : Exilado na Síria.
- 195 : Escapa para Éfeso, a fim de auxiliar Antíoco a combater Roma.
- 190 : Antíoco é derrotado, e Aníbal foge.
- 183 : Comete suicídio para evitar ser capturado pelos romanos.

----

CIPIÃO, O AFRICANO "na única ocasião em que Cipião e Aníbal se enfrentaram em batalha, Cipião venceu." (Bernard Montgomery)
- 236 aC : Nasce na Itália de família patrícia.
- 218 : Resgata o pai no rio Ticino.
- 216 : Serve como tribuno militar em Canas, mas escapa do desastre.
- 209 : Desembarca na Espanha e conquista a Nova Cartago.
- 206 : Derrota o exército cartaginês em Ilipa.
- 204 : Invade o norte da África.
- 202 : Derrota Aníbal na Batalha de Zama.
- 190 : Vai combater na Síria.
- 187 : Recolhe-se numa fazenda em Literno, na Itália.
- 183 : Morre em Literno.

----

CAIO MÁRIO "contrário à lei e ao costume, ele aceitou em seu exército homens pobres sem propriedades."
- 157 aC : Nasce em Cereatas, perto de Arpino, na Itália.
- 134 : Luta na Guerra Numantina, na Espanha.
- 119 : Eleito tribuno.
- 108 : Luta no norte da África ; eleito cônsul ; toma o comando da África.
- 105 : Vence na África.
- 102 : Derrota os teutões na França.
- 101 : Derrota os cimbros no norte da África.
- 99 : Atende ao chamado do Senado para "salvar o Estado" ; vai para o exílio.
- 90-88 : Luta na Guerra Social ; exilado novamente.
- 87 : Volta à Roma ; captura a cidade.
- 86 : Eleito cônsul pela sétima vez ; morre.

----

POMPEU - a carreira militar de Pompeu foi igual à de qualquer general de seu tempo, proporcionando-lhe três triunfos.
- 106 aC : Nasce em Roma, em 29 de setembro.
- 81 : Entra em Roma, em triunfo, depois de vitórias na Sicília e no Egito.
- 77 : Ajuda a expulsar Lépido da Itália.
- 76 : Combate na Espanha.
- 72 : Ajuda a esmagar a revolta dos escravos liderada por Espártaco.
- 70 : Eleito cônsul.
- 67 : Começa a campanha contra os piratas no Mediterrâneo.
- 66-62 : Reorganiza o Oriente Médio.
- 60 : Participa do Primeiro Triunvirato.
- 52 : Torna-se cônsul único.
- 49 : César atravessa o Rubicão, dando início à Guerra Civil.
- 48 : Derrotado em Farsália ; foge para o Egito, onde é assassinado.

----

JÚLIO CÉSAR "vim, vi e venci."
- 100 aC : Nasce em 12 ou 13 de julho. (não se sabe ao certo)
- 59 : Forma o Primeiro Triunvirato.
- 58-51 : Conquista a Gália.
- 56 : Atravessa o Canal da Mancha.
- 49 : Atravessa o Rubicão, iniciando a Guerra Civil.
- 48 : Batalha de Farsália ; vai para o Egito e inicia um romance com Cleópatra.
- 47 : Batalha de Zela.
- 46 : Torna-se ditador de Roma.
- 44 : Assassinado nos Idos de Março (15 dia).
- 42 : Declarado um deus.

----

MARCO AGRIPA - sem Agripa, é pouco provável que Augusto chegasse ao trono.
- 63 aC : Nasce.
- 44 : Alia-se a Otávio, filho adotivo de Júlio César, que havia sido assassinado.
- 43 : Torna-se tribuno da plebe ; processa o tiranicida Cássio in absentia.
- 41-40 : Luta contra Lúcio, irmão de Marco Antônio.
- 39-38 : Participa de campanhas na Aquitânia e ao longo do Reno.
- 37 : Eleito cônsul.
- 36 : Vence duas batalhas navais decisivas contra Sexto Pompeu.
- 35-34 : Combate na Dalmácia.
- 31 : Derrota Marco Antônio na Batalha de Ácio.
- 28-27 : Cônsul com Otávio, que se torna o imperador Augusto ; casa com a filha de Augusto e é visto como seu sucessor ; de Lesbos, administra o Império no Oriente.
- 19 : Finaliza o domínio da Espanha.
- 17 : Recebe novos poderes em Roma ; volta ao Oriente como vice-regente.
- 15 : Põe fim a uma rebelião no reino Bósforo.
- 13 : Viaja para acabar com os problemas na província da Panônia, na Europa Central.
- 12 : Morre em março.

----

OTÁVIO AUGUSTO "ele sujeitou o mundo inteiro ao domínio do povo romano."
- 63 aC : Nasce em 23 de setembro, filho adotivo e sobrinho-neto de Júlio César.
- 51 : Pronuncia o discurso fúnebre de sua avó, Júlia, irmã de Júlio César.
- 46 : Acompanha César em seu desfile triunfal depois da vitória na Guerra Civil.
- 44 : Assassinato de César ; Otávio volta a Roma para assumir sua herança.
- 43 : Otávio, Marco Antônio e Lépido formam o Segundo Triunvirato.
- 42 : Júlio César é declarado um deus, e Otávio, portanto, torna-se filho de um deus ; vence as duas batalhas de Filipos contra Bruto e Cássio.
- 36 : Retira Lépido do poder, assumindo todo o Império do Ocidente.
- 31 : Vitória sobre Marco Antônio na Batalha de Ácio.
- 30 : Anexa o Egito.
- 27 : Adota o nome César Augusto.
- 20 : Assume o controle da Armênia.
- 17 : Promove os Jogos Seculares, a fim de purificar o povo romano.
- 16-15 : Cruza os Alpes, estendendo a fronteira até o Danúbio.
- 12 : Torna-se sacerdote máximo - "Pontifex Maximus".
- 9 : Amplia as fronteiras até o Elba.
- 6 dC : Anexa a Judeia.
- 14 : Morre em 19 de agosto.

----

ARMÍNIO, O GERMANO "minha luta tem sido aberta, não traiçoeira, e contra homens, não contra mulheres..."
- 18 aC : Nasce, filho de Segimero, chefe dos queruscos.
- 9 dC : Batalha da Floresta de Teutoburgo.
- 15 : Enfrenta César Germânico.
- 16 : Sobrevive a um ataque romano em alta escala.
- 17 : Enfrenta Marobodus, rei dos marcomanos.
- 19 : Morre.

----

CLÁUDIO - Cláudio assegurou que nenhum futuro imperador poderia governar sem o exército.
- 10 aC : Nasce na Gália em 1 de agosto.
- 37 dC : Cônsul durante o governo do seu primo, Calígula.
- 41 : Torna-se imperador.
- 41-42 : Anexa a Mauritânia.
- 43 : Invade a Bretanha ; anexa a Lícia.
- 44 : Torna a Judeia uma província.
- 46 : Anexa a Trácia.
- 47 : Pôe fim à revolta dos icenos, comandada pelo marido de Boudica, Prasutago.
- 49 : Anexa o norte da Palestina.
- 51 : Estabelece colônias na Germânia.
- 52 : Declínio do governo pró-romano na Armênia.
- 54 : Morre em 13 de outubro.

----

TRAJANO "que tenha mais sorte do que Augusto e seja melhor do que Trajano!" (saudação usada na coroação dos novos imperadores romanos que se seguiram a Trajano)
- 53 dC : Nasce em 15 de setembro em Itálica, na Bética (Espanha).
- 70 : Indicado cônsul.
- 89 : Comanda as legiões na Espanha.
- 97 : Adotado pelo imperador Nerva ; feito governador da Alta Germânia.
- 98 : Torna-se imperador.
- 101-106 : Conquista a Dácia.
- 105-106 : Anexa o reino dos nabateus na Arábia.
- 113 ou 114 : Coloca novamente no poder o rei pró-romano da Armênia.
- 115 : Anexa a Alta Mesopotâmia.
- 117 : Escapa da morte em um terremoto em Antioquia ; morre em 8 ou 9 de agosto em Selinus, na atual Turquia.

----

CONSTANTINO I "sob este sinal vencerás." (palavras que acompanharam a visão mística que Constantino teve da cruz)
- 272 dC : Nasce em 27 de fevereiro.
- 293 : Elevado a César na Primeira Tetrarquia.
- 306 : Proclamado imperador em York, em 25 de julho.
- 306-308 : Campanhas na fronteira germânica.
- 312 : Invade a Itália.
- 314-315 : Novas campanhas na fronteira germânica.
- 324 : Derrota Licínio, imperador do Oriente ; funda Constantinopla, onde os templos foram substituídos por igrejas cristãs.
- 332 : Combate os godos.
- 334 : Combate os sármatas.
- 336 : Combate na fronteira do Danúbio.
- 337 : Converteu-se ao cristianismo, e foi batizado ; morre em 22 de maio.

----

ALARICO I "deixe-os com suas vidas."
- 370 dC : Nasce.
- 395 : Torna-se rei dos visigodos.
- 395-396 : Pilha a Grécia.
- 397 : Torna-se o senhor da Ilíria.
- 401 : Invade a Itália.
- 402 : Derrotado por Estilicão.
- 408 : Invade a Itália novamente e sitia Roma.
- 410 : Saqueia Roma ; morre devido a uma febre.

----

FLÁVIO AÉCIO "o imperador decepou a sua mão direita com a esquerda." (cortesão que presenciou o seu assassinato.)
- 390 dC : Nasce em Durostorum, na Mésia Inferior (atual Bulgária).
- 423-425 : Apoia o usurpador João na Itália.
- 432 : Eleito cônsul pela primeira vez e torna-se o principal conselheiro do imperador Valentiniano III.
- 433 : Inicia a luta contra os rebeldes na Gália.
- 435-437 : Destrói o reino burgúndio em Worms.
- 437-439 : Detém os visigodos em Toulouse.
- 451 : Derrota Átila, o Huno, na Batalha dos Campos Catalúnicos.
- 454 : Morre esfaqueado por Valentiniano.

----

ÁTILA, O HUNO "onde eu passar, a grama não crescerá novamente."
- 406 dC : Nasce.
- 434 : Torna-se rei dos hunos juntamente com seu irmão, Bleda.
- 441 : Ataca o Império do Oriente.
- 443 : Destrói Nis e Sófia ; conquista Filipópolis ; destrói as forças romanas no Oriente.
- 445 : Assassina Bleda.
- 447 : Ataca o Império do Oriente novamente ; detido nas Termópilas.
- 449 : Firma um tratado com Constantinopla.
- 451 : Invade a Gália, sendo derrotado por Flávio Aécio na Batalha dos Campos Catalúnicos.
- 452 : Invade a Itália ; saqueia as cidades do norte e depois se retira.
- 453 : Morre dormindo.

----

BELISÁRIO - com apenas 8.000 homens, Belisário defendeu Roma contra uma força de mais de 50.000 godos.
- 505 dC : Nasce na Ilíria.
- 529 : Entra para a guarda imperial.
- 530 : Vitória sobre a Pérsia em Dara.
- 532 : Suprime uma insurreição em Constantinopla.
- 533-534 : Ataca os vândalos no norte da África e captura o seu rei.
- 535 : É mandado recuperar a Itália dos ostrogodos.
- 536 : Conquista Nápoles e Roma.
- 537-538 : Resiste ao cerco godo de Roma.
- 540 : Conquista Milão e Ravena ; aceita a rendição dos godos.
- 542 : Combate os persas novamente.
- 544 : Retorna para combater na Itália.
- 548 : Chamado novamente por Justiniano.
- 559 : Defende Constantinopla dos hunos.
- 565 : Morre em março.

----

ANGLO-SAXÕES E VIQUINGUES:

ALFREDO , O GRANDE "O nome de Alfredo viverá enquanto a humanidade respeitar o passado." (Inscrição na estátua de Alfredo, em Winchester.)
- 849 dC : Nasce em Berkshire.
- 871 : Sobe ao trono de Wessex e Mércia.
- 872 : Os dinamarqueses atacam a Mércia.
- 875 : Os dinamarqueses atacam Wessex.
- 877 : Os dinamarqueses começam a colonizar a Mércia.
- 878 : Derrota os dinamarqueses na Batalha de Edington.
- 880 : Os dinamarqueses se estabelecem na Ânglia Oriental.
- 886 : Captura Londres.
- 896 : A Dinamarca desiste da sua invasão.
- 899 : Morre em outubro.

----

ATHELSTAN "Rei dos ingleses, elevado pelo Todo-Poderoso... ao trono de todo o reino da Bretanha."
- 895 dC : Nasce.
- 924 : Sobe ao trono em 17 de julho.
- 925 : Coroado em Kingston-Upon-Thames.
- 934 : Devasta a Escócia.
- 937 : Vitorioso na Batalha de Brunanburh.
- 939 : Morre em 27 de outubro, em Gloucester.

----

CANUTO I "Deixem que todos saibam quão vazio e sem valia é o poder dos reis."
- 994 dC : Nasce.
- 1013 : Participa da invasão de seu pai à Inglaterra.
- 1016 : Torna-se rei da Inglaterra.
- 1019 : Torna-se rei da Dinamarca.
- 1027 : Assegura o seu reconhecimento pelos reis da Escócia ; visita Roma.
- 1028 : Torna-se rei da Noruega.
- 1035 : Morre em 12 de novembro, em Shaftesbury, Dorset.

----

HAROLDO II "Ofereço-lhe sete palmos da terra inglesa, ou mais, se ele for mais alto do que a maioria dos homens."
- 1020 dC : Nasce.
- 1044 : Torna-se conde da Ânglia Oriental.
- 1051 - Banido junto com o pai.
- 1052 : Invade a Inglaterra.
- 1053 : Torna-se conde de Wessex e Kent.
- 1063 : Subjuga Gales.
- 1066 : Coroado rei da Inglaterra em 6 de janeiro ; morto em 14 de outubro.

----

IDADE MÉDIA:

CARLOS MARTEL - Carlos Martel - o "Martelo" preservou a Europa para a cristandade.
- 688 dC : Nasce.
- 714 : Assume o poder na Austrásia.
- 716 : Derrota os nêustrios em Amblève.
- 717 : Vitória em Vincy.
- 718 : Devasta a Saxônia.
- 719 : Vitória em Soissons.
- 720-730 : Restabelece a autoridade sobre o sul da Alemanha.
- 732 : Detém os muçulmanos em Poitiers.
- 737-738 : Campanhas pelo sudeste da França.
- 741 : Morre em 21 de outubro, em Quierzy.

----

CARLOS MAGNO - A fusão de culturas realizadas por Carlos Magno marca o início da civilização europeia moderna.
- 742 dC : Nasce em 2 de Abril em Aachen.
- 768 : Torna-se governante dos domínios francos com seu irmão.
- 771 : Torna-se governante único após a morte de seu irmão mais velho.
- 774 : Invade a Lombardia.
- 775-777 : Subjuga a Saxônia.
- 778 : Sitia Saragoça.
- 788 : Conquista a Baviera; campanhas na Hungria e na Áustria.
- 800 : Aclamado imperador em Roma.
- 804 : Finalmente reprime toda a resistência na Saxônia.
- 814 : Morre em 28 de janeiro, em Aachen.

----

EL CID - El Cid Campeador: "O senhor que vence as batalhas."
- 1043 dC : Nasce em Vivar, perto de Burgos, em Castela.
- 1065 : Escolhido como porta-estandarte de Sancho, rei de Castela.
- 1066 : Campanhas com Sancho contra os mouros em Saragoça.
- 1067 : Une-se a Sancho na campanha bem-sucedida para conquistar o reino de Leão de seu irmão Alfonso.
1072 : Sancho é assassinado; o destronado Alfonso o sucede.
- 1074 : Contrai matrimônio dentro da dinastia real.
- 1079 : Derrota o exército granadino perto de Sevilha.
- 1081 : Lidera um ataque não-autorizado contra os mouros em Toledo.
- 1082 : Combate o rei mouro de Lérida.
- 1084 : Derrota o rei cristão de Aragão.
- 1090 : Derrota o conde de Barcelona em Tébar.
- 1092: Sitia Valência.
- 1094 : Conquista Valência para si.
- 1099 : Morre em 10 de julho, em Valência.

----

SALADINO "Prefiro ser conhecido pela habilidade e prudência a ser pela mera audácia."
- 1137/38 dC : Nasce em Tikrit, na Mesopotâmia.
- 1169 : Comanda as tropas sírias no Egito.
- 1171 : Assume o poder no Egito.
- 1174 : Controla a Síria e tenta unificá-la, assim como a Mesopotâmia, a Palestina e o Egito.
- 1187 : Derrota o exército dos cruzados em Hattin e conquista Jerusalém.
- 1191 : Derrotado por Ricardo I em Arsuf, mas o impede de dominar Jerusalém.
- 1193 : Morre em Damasco, em 4 de março.

----

RICARDO I - Apesar de ser o rei mais conhecido da Inglaterra, Ricardo só passou seis meses no país.
- 1157 dC : Nasce em 8 de setembro, em Oxford.
- 1168 : Torna-se duque da Aquitânea.
- 1173-74 : Rebela-se contra o pai, Henrique II.
- 1189 : Coroado rei da Inglaterra.
- 1190 : Dirige-se para a Terra Santa; conquista Messina.
- 1191 : Chega à Terra Santa e conquista Acre; derrota Saladino em Arsuf.
- 1192 : Sela uma trégua com Saladino; naufraga perto de Veneza; aprisionado pelo Duque da Áustria.
- 1194 : Solto após o pagamento de resgate; retorna à Inglaterra; coroado rei pela segunda vez; retorna à Normandia.
- 1199 : Morre em Châlus.

----

GENGHIS KHAN - Genghis consolidou seu domínio por meio da aniquilação em massa de qualquer um que se opusesse a ele.
- 1162 dC : Nasce na Mongólia.
- 1194 : Denominado "cã universal.
- 1202 : Derrota os tártaros.
- 1206 : Sai vitorioso de uma guerra civil.
- 1215 : Conquista Pequim.
- 1218 : Invade o oeste da China.
- 1220 : Saqueia Samarcanda.
- 1222 : Invade a Rússia.
1224 : Consolida seu domínio na Ásia Central.
- 1226 : Derrota uma rebelião na Batalha do Rio Amarelo.
- 1227 : Morre em 18 de agosto.

----

ALEXANDRE III DA ESCÓCIA - Alexandre III repeliu com sucesso a última invasão viquingue à Escócia.
- 1241 dC : Nasce em 4 de setembro.
- 1249 : Coroado rei da Escócia.
- 1255 : Capturado por uma facção próingleses.
- 1262 : Chega à maioridade e assume o governo.
- 1263 : Repele a invasão do rei norueguês.
- 1286 : Apodera-se das ilhas Hébridas e da Ilha de Man; morre em 18 de março.

----

EDUARDO I - As campanhas de Eduardo contra William Wallace lhe valeram o epíteto "Martelo dos Escoceses".
- 1239 dC : Nasce em 17 de junho, no Palácio de Westminter.
- 1255 : Não consegue subjugar a rebelião em Gales.
- 1264 : Derrotado na Batalha de Lewes.
- 1265 : Derrota Simão de Montfort; liberta o rei.
- 1271 : Une-se às Cruzadas.
- 1272 : Sobe ao trono após a morte de Henrique III, em 16 de novembro.
- 1274 : Coroado em 19 de agosto de 1274, na Abadia de Westminter.
- 1277 : Ataca Llywelyn em Gales.
- 1284 : Subjuga o principado de Gales.
- 1295 : Pões fim à última rebelião galesa.
- 1299 : Derrota William Walace na Batalha de Falkirk.
- 1307 : Morre em 7 de julho, em Burgh-on-Sands, Cumberland.

----´

EDUARDO III - A Batalha de Crécy é considerada por muitos historiadores o começo do fim da cavalaria.
- 1312 dC : Nasce em Windsor, em 13 de novembro.
- 1327 : Coroado rei, em 29 de janeiro ; combate os escoceses.
- 1330 : Executa Roger Mortimer.
- 1333 : Combate os escoceses novamente.
- 1340 : Assume o título de rei da França.
- 1346 : Desembarca na Normandia ; Derrota os franceses em Crécy, em 26 de agosto.
- 1347 : Conquista Calais.
- 1355 : Ataques na França e na Escócia.
- 1356 : Vitória em Poitiers ; a Escócia se rende.
- 1377 : Morre em 21 de junho, em Sheen, Surrey.

----

EDUARDO, O PRÍNCIPE NEGRO "Coragem ; eu sirvo."
- 1330 dC : Nasceu em 15 de junho, em Woodstock, Oxfordshire.
- 1333 : Torna-se o conde de Chester.
- 1343 : Torna-se o príncipe de Gales.
- 1346 : Luta na Batalha de Crécy.
- 1356 : Derrota os franceses na Batalha de Poitiers.
- 1362 : Torna-se príncipe da Aquitânea.
- 1367 : Vence a Batalha de Nájera.
- 1371 : Retorna doente para a Inglaterra.
- 1376 : Morre em Westminter, em 8 de junho.

----

TAMERLÃO "Como só há um Deus no Céu, tem que haver apenas um governante na Terra."
- 1336 dC : Nasce em Kish, perto da Samarcanda.
- 1366 : Conquista a Transoxiana.
- 1370 : Torna-se governante de Samarcanda ; declara-se descendente de Genghis Khan.
- 1380 : Subjuga o Turquestão.
- 1383 : Conquista Herat, na Pérsia.
- 1385 : Completa a conquista da Pérsia.
- 1391 : Invade a Rússia.
- 1394 : Completa a conquista do Iraque e da Ásia Central.
- 1395 : Ocupa Moscow.
- 1396 : Subjuga uma revolta na Pérsia.
- 1398 : Invade a Índia, destruindo Déli.
- 1401 : Derrota Mamluks ; ocupa Damasco ; destrói Bagdá.
- 1402 : Derrota os otomanos.
- 1404 : Começa a invadir a China.
- 1405 : Morre em 19 de fevereiro.

----

HENRIQUE V "Nós, poucos; nós, poucos felizes; nós, bando de irmãos." (William Shakespeare, Henrique V, Ato IV, Cena III)
- 1387 dC : Nasce em 16 de setembro em Monmouth.
- 1399 : Torna-se príncipe de Gales.
1403-1408 : Luta contra rebeldes galeses.
1413 : Torna-se rei da Inglaterra, em 21 de março.
1414 : Reprime a revolta Lollard.
1415 : Entra em guerra com a França; conquista Harfleur em setembro; em 25 de outubro vence a Batalha de Agincourt.
1416 : Vence a Batalha do Sena.
1420 : Torna-se regente da França e herdeiro do trono.
1422 : Morre em 31 de agosto, em Bois de Vincennes, na França.

----

GUSTAVO II DA SUÉCIA - Gustavo foi talvez o primeiro comandante a integrar a artilharia, infantaria e cavalaria.
- 1594 dC : Nasce em Estocolmo, em 9 de dezembro.
1611 : Comanda as forças suecas na Gotlândia Oriental; torna-se rei da Suécia, em 30 de outubro.
1613 : Sela a paz com a Dinamarca.
1617 : Sela a paz com a Rússia.
1619 : Conquista os portos da Livonia polonesa.
1629 : Firma uma trégua com a Polônia.
1630 : Entra na Guerra dos Trinta Anos.
1631 : Derrota as forças imperiais sob o comando de Graf von Tilly na Batalha de Breitenfeld.
1632 : Derrota Tilly novamente na Batalha do Rio Lech; morre na Batalha de Lucerna, na Saxônia, em 6 de novembro.

----

GUERRA CIVIL INGLESA:

OLIVER CROMWELL "Tenha fé em Deus e mantenha a pólvora seca."
- 1599 dC : Nasce em 25 de abril, em Huntingdon.
- 1628 : Eleito deputado por Huntingdon.
- 1642 : Começa a Guerra Civil; sitia o Castelo de Cambridge.
- 1643 : Derrota os realistas em Grantham, Burleigh House, Gainsborough e Winceby.
- 1644 : Vitorioso em Marston Moor.
- 1645 : Auxilia na reforma do exército; vitorioso em Naseby.
- 1648 : Derrota os escoceses na Batalha de Preston.
- 1649-1650 : Campanhas na Irlanda.
- 1650 : Derrota Carlos II em Dunbar e Worcester.
- 1653 : Torna-se Lorde Protetor da Inglaterra.
- 1654 : Põe fim à primeira Guerra Anglo-Holandesa.
- 1655 : Toma a Jamaica da Espanha.
- 1658 : Morre em 3 de setembro.
- 1661 : É exumado e enforcado.

----

SIR THOMAS FAIRFAX "Ele tem juízo demais para estar aqui." (Anne Fairfax, durante o julgamento do rei Carlos I, em janeiro de 1649)
- 1612 dC : Nasce em Denton, Yorkshire, em 17 de janeiro.
- 1629-1631 : Combate os espanhóis na Holanda.
- 1639 : Entra nas Guerras dos Bispos contra os escoceses.
- 1640 : Torna-se cavaleiro.
- 1643 : Conquista Leeds e Wakefield; derrotado em Adwalton Moor; vitorioso em Winceby.
- 1644 : Vitorioso em Nantwish e Marston Moor; ferido no Castelo de Helmsley.
- 1645 : Cria o Novo Exército Modelo; vitorioso em Naseby e Langport.
- 1647 : Esmaga os realistas novamente em Maidstone e Colchester.
- 1648 : Recusa-se a condenar o rei.
- 1650 : Renuncia ao posto de comandante em chefe.
- 1658 : Restaura o governo parlamentar depois da morte de Cromwell.
- 1660 : Convida Carlos II a retornar.
- 1661 : Retira-se da vida pública.
- 1671 : Morre em Nun Appleton, Yorkshire, em 12 de novembro.

----

PRÍNCIPE RUPERT - Cientista e artista, o príncipe Rupert é mais lembrado como um realista impetuoso.
- 1619 dC : Nasce em Praga.
- 1620 : Sua família foge para a República Holandesa.
- 1636 : Visita Carlos I na Inglaterra.
- 1637 : Combate as forças imperiais na Guerra dos Trinta Anos.
- 1638 : Capturado e aprisionado durante três anos.
- 1642 : Viaja para a Inglaterra; começa a Guerra Civil; luta na Batalha de Edgehill.
- 1643 : Vitorioso na Batalha de Chalgrove Field; conquista Bristol; derrotado em Marston Moor.
- 1644 : Nomeado comandante em chefe do exército do rei.
- 1645 : Derrotado na Batalha de Naseby; cede Bristol.
- 1646 : Banido da Inglaterra.
- 1648 : Comanda a esquadra realista que persegue os navios mercantes ingleses.
- 1651-1653 : Torna-se pirata no Caribe.
- 1653 : Une-se a Carlos II na França.
- 1660 : Retorna à Inglaterra depois da Restauração.
- 1665-1667 : Combate na Segunda Guerra Anglo-Holandesa.
- 1670 : Nomeado primeiro diretor da Hudson´s Bay Company.
- 1672-1674 : Combate na Terceira Guerra Anglo-Holandesa.
1682 : Morre em 29 de novembro, em Londres.

----

GUILHERME DE ORANGE "Só há uma maneira de ter certeza de jamais ver a ruína de meu país: morrerei na última trincheira."
- 1650 dC : Nasce em 14 de novembro, em Haia.
- 1672 : Torna-se stadholder ou vice-rei; combate a invasão dos franceses por terra e dos ingleses no mar.
- 1677 : Casa-se com Maria, filha do rei Jaime II da Inglaterra.
- 1678 : Sela a paz.
- 1686 : Forma a Liga Antifrancesa de Augsburg.
- 1688 : Desembarca sem resistência em Brixham.
- 1689 : Assume o trono junto com Maria; declara guerra à França.
- 1690 : Vitorioso na Batalha do Boyne.
- 1692 : Massacre em Glen Coe.
- 1702 : Morre em 19 de março, em Londres.

----

JOHN CHURCHILL, DUQUE DE MARLBOROUGH "Marlborough tem bons motivos para ser chamado de o maior soldado da Inglaterra." (Professor Richard Holmes)
- 1650 dC : Nasce em 26 de maio, em Ashe, Devon.
- 1667 : Indicado para a infantaria de guarda.
- 1668 : Combate em Tanger.
- 1672 : Destaca-se na Batalha de Maastricht; promovido a coronel.
- 1685 : Derrota o duque de Monmouth; torna-se comandante em chefe de Jaime II.
- 1688 : Passa para o lado de Guilherme de Orange, que o torna conde de Marlborough.
- 1692 : Preso na Torre de Londres.
- 1702 : Comanda as forças inglesas na Guerra de Sucessão Espanhola; conquista Kaiserswerth; torna-se o duque de Marlborough.
- 1704 : Vitorioso na Batalha de Blenheim.
- 1706 : Vitorioso em Ramillies.
- 1708 : Vitorioso em Oudenaarde; conquista Lille.
- 1709 : Vitorioso em Malplaquet.
- 1722 : Morre em 16 de junho, em Windsor.

----

CARLOS XII DA SUÉCIA O resultado permanente da Guerra do Norte foi o fim da Suécia como uma grande potência.
- 1682 dC : Nasce em 17 de junho, em Estocolmo.
- 1697 : Coroado rei da Suécia.
- 1700 : Começa a Grande Guerra do Norte.
- 1702 : Derrota os russos em Narva.
- 1703 : Derrota os poloneses em Poltosk.
- 1706 : Derrota os poloneses em Fronstadt.
- 1708 : Derrota os russos em Holowczyn.
- 1709 : Derrotado em Poltava; foge para o território controlado pelos turcos.
- 1714 : Retorna à Pomerânia sueca.
- 1718 : Morre em 30 de novembro, em Fredrikshald, Noruega.

----

RESTAURAÇÃO:

JOHN CAMPBELL, DUQUE DE ARGYLL "Não posso ter uma opinião pior sobre alguém do que sobre o duque de Argyll." *John Churchill, duque de Marlborough)
- 1678 dC : Nasce em 10 de outubro, em Petersham, Surrey.
- 1694 : Recebe o comando de um regimento de infantaria.
- 1702 : Destaca-se no cerco de Kaiserswerth.
- 1703 : Sucede o pai como duque de Argyll.
- 1705 : Promove a união com a Inglaterra no Parlamento escocês.
- 1706 : Une-se à segunda campanha de Marlborough na Guerra da Sucessão Espanhola.
- 1708 : Vitorioso na Batalha de Oudenaarde.
- 1709 : Destaca-se na Batalha de Malplaquet.
- 1711 : Atua como comandante em chefe na Espanha.
1715 : Atua como comandante em chefe durante a rebelião jacobita.
- 1740 : Dispensado de suas funções.
- 1743 : Morre em 4 de outubro, em Petersham.

----

CARLOS STUART, O JOVEM PRETENDENTE "Pelo rei Jaime e por nenhuma união com a Inglaterra."
- 1720 dC : Nasce em 31 de dezembro, em Roma.
- 1744 : Une-se à malsucedida tentativa francesa de invadir a Inglaterra.
- 1745 : Chega à Escócia e dá início à revolta das Highlands; conquista Edimburgo; vitorioso na Batalha de Prestonpans; avança para a Inglaterra.
- 1746 : Derrotado em Culloden; foge para a França.
- 1766 : Com a morte de seu pai, declara-se Carlos III.
- 1788 : Morre em 31 de janeiro, em Roma.

Akin Lan Feng
Admin

Mensagens : 42
Data de inscrição : 08/12/2008
Idade : 31

Ver perfil do usuário http://lobosdovento.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: História do Mundo

Mensagem  Akin Lan Feng em Dom Set 24, 2017 8:54 pm

WILLIAM AUGUSTUS, DUQUE DE CUMBERLAND "Sem piedade."
- 1721 dC : Nasce William Augustus em 15 de abril, em Londres.
- 1726 : Torna-se duque de Cumberland.
- 1745 : Torna-se comandante das forças aliadas na Guerra da Sucessão Austríaca; derrotado na Batalha de Fontenoy; começa a rebelião jacobita.
- 1746 : Derrota Carlos Stuart em Culloden.
- 1747 : Derrotado nas batalhas de Lauffeld e Hastenbeck.
- 1765 : Morre em 31 de outubro, em Londres.

----

ERA NAPOLEÔNICA:

LORDE NELSON "Nenhum capitão erra muito se colocar seu navio bordo com bordo ao do inimigo."
- 1758 : Nasce em 29 de setembro.
- 1770 : Alista-se na Marinha Real com 12 anos de idade.
- 1779 : Recebe o comando da fragata Hinchinbrook.
- 1787 : Casa-se com Frances Nishet.
- 1797 : Batalha do cabo de São Vicente; Nelson é promovido a contra-almirante.
- 1798 : Batalha do Nilo.
- 1799 : Conhece Lady Hamilton.
- 1801 : Batalha de Copenhague.
- 1803 : Nomeado comandante em chefe no Mediterrâneo.
- 1805 : Batalha de Trafalgar, em 21 de outubro; Nelson é fatalmente ferido e morre durante a batalha a bordo da sua nau capitânia HMS Victory.

----

SIR JOHN MOORE "Penso que não teríamos vencido sem ele." (Duque de Wellington a respeito de Sir John Moore, 1809)
- 1761 dC : Nasce em 13 de novembro, em Glasgow.
- 1776 : Designado para o 51º Regimento de Infantaria.
- 1794-1795 : Combate na Córsega; comanda uma brigada.
- 1798 : Serve nas Índias Ocidentais e na Irlanda.
- 1799 : Ferido na Batalha de Alkmaar, na Holanda.
- 1800 : Ferido em Alexandria; comanda uma divisão.
1808 : Serve na Espanha; lidera a retirada para La Coluna.
- 1809 : Derrota os franceses em La Coluna; morre durante uma batalha em 16 de janeiro.

----

ARTHUR WELLESLEY, DUQUE DE WELLINGTON "Nada, exceto uma batalha perdida, pode ser tão melancólico quanto uma batalha vencida."
- 1769 dC : Nasce em 1 de maio, em Dublin.
- 1787 : Designado para o 73º Regimento de Infantaria.
- 1794 : Ascende ao comando do 33º Regimento de Infantaria.
- 1794-1795 : Combate pela primeira vez em Flandres.
- 1799 : Derrota o sultão de Misore.
- 1803 : Vitorioso em Assaye.
- 1808- 1814 : Série de vitórias na Guerra Peninsular.
- 1815 : Derrota Napoleão na Batalha de Waterloo.
- 1828-1830 : Primeiro-ministro.
1852 : Morre em 14 de setembro no Castelo de Walmer, em Kent.

----

NAPOLEÃO BONAPARTE "O poder é minha amante."
- 1769 dC : Nasce em 15 de agosto em Ajáccio, na Córsega.
- 1793 : Destaca-se no cerco de Toulon.
- 1795 : Reprime a rebelião monarquista em Paris com uma "baforada de canhão".
- 1796-1797 : Vitória sobre os austríacos na campanha italiana.
- 1798 : Invade o Egito.
- 1799 : Chega ao poder com um golpe de Estado e torna-se o primeiro cônsul da França.
- 1800 : Derrota os austríacos em Marengo.
- 1804 : Coroa a si próprio imperador.
- 1805 : Derrota os austríacos e os russos em Ulm e Austerlitz.
- 1806 : Derrota os prussianos em Jena.
- 1807 : Derrota os russos em Friedland, dividindo o continente europeu; invade Portugal, dando início à Guerra Peninsular.
- 1812 : Invade a Rússia; vitória em Borodino; o Grande exército é arrasado pelo inverno.
- 1813 : Derrotado pelas forças aliadas em Leipzig.
- 1814 : Abdica; exilado na ilha de Elba.
- 1815 : Retorna à França; derrotado em Waterloo; exilado na ilha de Santa Helena.
- 1821 : Morre em 5 de maio.

----

MICHEL NEY "O mais bravo dos bravos." (Napoleão a respeito de Ney)
- 1769 dC : Nasce em 10 de janeiro, em Saarlouis, na Alsácia.
- 1788 : Entra para os hussardos.
- 1796 : Promovido a general de brigada; ferido pela primeira vez.
- 1800 : Promovido a general de divisão; vitorioso em Hohenlinden.
1802 : Invade a Suíça.
- 1804 : Promovido a marechal do império.
- 1805 : Consegue a vitória em Elchingen, permitindo à Napoleão derrotar os exércitos austro-russos em Austerlitz.
- 1807 : Vitórias em Jena, Eilau e Friedland.
- 1808 : Torna-se duque de Elchingen.
- 1808-1811 : Combate na Espanha e em Portugal.
- 1812 : Combate em Borodino; torna-se príncipe de la Moskowa; lidera a retaguarda durante a retirada de Moscou.
- 1813 : Combate por Napoleão na Alemanha.
- 1814 :Diz a Napoleão que ele deve abdicar; jura aliança aos Bourbon.
- 1815 : Muda de lado após Napoleão voltar da ilha de Elba; combate em Waterloo; é executado em 7 de dezembro, em Paris.

----

IMPÉRIO BRITÂNICO:

LORDE HOWARD DE EFFINGHAM "General de exército e comandante em chefe da marinha e do exército preparados contra a Espanha."
- 1536 dC : Nasce.
- 1569 : Ajuda a reprimir a rebelião dos lordes católicos.
- 1573 : Torna-se lorde Howard de Effingham.
- 1585 : Torna-se o lorde do Almirantado.
- 1588 : Comanda a esquadra inglesa contra a Armada espanhola.
- 1596 : Comanda o ataque a Cádiz.
- 1597 : Torna-se conde de Nottingham.
- 1599 : Torna-se lorde general de exército da Inglaterra.
- 1601 : Ajuda a reprimir a rebelião de Essex.
- 1624 : Morre em 14 de dezembro, perto de Croydon, em Surrey.

----

SIR FRANCIS DRAKE “Sir Francis Drake é um homem temível para o rei da Espanha.” (Lorde Burghley)
- 1540 dC : Nasce em Devonshire.
-1563 : Navega para o Caribe.
- 1572 : Obtém licença para ser corsário.
- 1577 : Inicia a circunavegação da Terra.
- 1580 : Retorna à Inglaterra com especiarias e pilhagem.
- 1587 : Ataca Cádiz.
- 1588 : Derrota a Armada espanhola.
- 1596 : Morre em 28 de janeiro, perto de Puerto Bello, no Panamá.

----

JAMES WOLFE “Ele é louco? Então espero que morda alguns dos meus outros generais.” (Jorge II a respeito de Wolfe)
- 1727 dC : Nasce em 2 de janeiro, em Westerham, Kent.
- 1741 : Entra para o corpo dos Fuzileiros Reais.
- 1743 : Combate os franceses em Dettingen.
- 1746 : Combate os jacobitas em Falkirk e Culloden.
- 1758 : Conquista Louisbourg e a ilha de Cape Breton.
- 1759 : Morre em 13 de setembro, no Quebec.

----

SHAKA ZULU “Para criar seu império, estima-se que Shaka tenha matado mais de dois milhões de pessoas.”
- 1787 dC : Nasce.
- 1802 : Junta-se ao exército de Dingiswayo, chefe dos mthethwas.
- 1816 : Torna-se chefe dos zulus; começa a reorganizar o exército.
- 1817 : Depois da morte de Dingiswayo, começa a expansão do Império Zulu.
- 1819 : Derrota os ndwandwes.
- 1820 : Começa o Mfecane (o Esmagamento), destruindo Natal.
- 1827 : A morte da mãe o deixa visivelmente psicótico.
- 1828 : Assassinado por seus meios-irmãos em 23 de setembro.

----

SIR COLIN CAMPBELL “Vocês devem morrer onde estão.”
- 1792 dC : Nasce em 20 de outubro, em Glasgow.
- 1807 : Torna-se porta-estandarte.
- 1808 : Combate ao lado de Wellington em Roliça e Vimeiro.
- 1809 : Combate na campanha de Moore em La Coruña.
- 1810 : Combate em Barossa e Tarifa.
- 1812 : Combate na guerra contra os Estados Unidos.
- 1813 : Combate ao lado de Wellington em Vitória.
- 1823 : Ajuda a reprimir a rebelião de Demerara.
- 1835 : Recebe o comando do 9° Regimento de Infantaria.
- 1841-1843 : Serve na Guerra do Ópio.
- 1848-1849 : Combate na Segunda Guerra Sique; torna-se cavaleiro pelos serviços prestados.
- 1854 : Combate em Alma e Balaclava, na Criméia.
- 1857-1858 : Reprime a Revolta dos Sipaios.
- 1858 : Torna-se barão Clyde de Clyesdale.
- 1860 : Promovido a marechal de campo.
- 1863 : Morre em 14 de agosto, em Chatham, Kent.

----

CHARLES GORDON - Após sua morte, o “Gordon chinês” tornou-se “o Gordon de Cartum” e um herói nacional.
- 1833 dC : Nasce em 28 de janeiro, em Woolwich.
- 1852 : Entra para o Real Corpo de Engenheiros.
- 1853-1856 : Combate na Criméia.
- 1859 : Promovido a capitão; Vai para a China.
- 1860 : Ocupa Pequim.
- 1862 : Defende Xangai.
- 1873 : Nomeado governador do Sudão.
- 1884 : Enviado para Cartum, a fim de evacuar as forças egípcias.
- 1885 : Morre em 26 de janeiro, em Cartum.

----

GUERRA DE INDEPENDÊNCIA AMERICANA:

GEORGE WASHINGTON “Estar preparado para a guerra é a forma mais eficiente de se preservar a paz.”
- 1732 dC : Nasce em 22 de fevereiro, na Virgínia.
- 1754 : Luta com a milícia de Virgínia contra os franceses.
- 1755 : Ajudante de ordens do general Braddok; escapa do “massacre de Braddok”.
- 1756 : Assume o comando da fronteira da Virgínia na Guerra dos Sete Anos.
- 1758 : Torna-se membro da House of Burgesses (Assembleia Legislativa) da Virgínia.
- 1775 : Nomeado comandante em chefe das forças rebeldes.
- 1776 : Força os ingleses a se retirarem de Boston; derrotado na Batalha de Long Island, mas sai vitorioso em Nova Jersey.
- 1777 : Retira-se para Valley Forge.
- 1778 : A França entra na guerra contra os ingleses.
- 1781 : Aceita a rendição inglesa em Yorktown.
- 1789 : Eleito presidente dos Estados Unidos.
- 1797 : Aposenta-se depois de dois mandatos.
- 1799 : Morre em 14 de dezembro, em Mount Vernon.

----

ANDREW JACKSON “Reflitam sem pressa, mas, quando a hora da ação chegar, parem de pensar e ajam.”
- 1767 dC : Nasce em 15 de março.
- 1781 : Capturado pelos ingleses.
- 1787 : Entra para a advocacia.
- 1796 : Eleito primeiro congressista do Tennessee.
- 1802 : Nomeado general de divisão da milícia do Tennessee.
- 1812 : Combate os índios creeks.
- 1815 : Derrota os ingleses na Batalha de Nova Orleans.
- 1817 : Toma a Flórida dos espanhóis.
- 1828 : Eleito presidente.
- 1845 : Morre em 8 de junho perto de Nashville, no Tennessee.

----

ROBERT E. LEE “É bom que a guerra seja tão terrível, senão poderíamos gostar demais dela.”
- 1807 dC : Nasce em 19 de janeiro, em Stratford, na Virgínia.
- 1825-1829 : Estuda em West Point.
- 1846-1848 : Combate na Guerra Mexicano-Americana.
- 1859 : Captura John Brown em Harpers Ferry.
- 1861 : Abandona o exército dos Estados Unidos para chefiar as forças separatistas da Virgínia.
- 1862 : Assume o comando do exército da Virgínia do Norte; rechaça o avanço do exército do Norte com as Batalhas dos Sete Dias; expulsa as forças do Norte na Segunda Batalha de Bull Run; derrota Burnside em Fredericksburg.
- 1863 : Derrota Hooker em Chancellorsville; detido em Gettysburg.
- 1864 : Combate em uma série de batalhas defensivas em Wilderness, Spotsylvania e Cold Harbor.
- 1865 : Nomeado general em chefe das forças confederadas; derrotado em Five Works, em 1° de abril; rende-se em Appomattox, em 9 de abril.
- 1870 : Morre em 12 de outubro, em Lexington, Virgínia.

----

WILLIAM T. SHERMAN “Posso fazer a Geórgia uivar.”
- 1820 dC : Nasce em 8 de fevereiro, em Lancaster, Ohio.
- 1836-1840 : Estuda em West Point.
- 1840 : Combate os índios seminoles na Flórida.
- 1847 : Enviado para a Califórnia como governador militar.
- 1853 : Pede baixa do exército; torna-se banqueiro em San Francisco.
- 1860 : Dirige uma academia militar na Louisiana.
- 1861 : Deixa a Louisiana para se unir ao exército da União no início da Guerra da Secessão; combate na Batalha de Bull Run.
- 1862 : Torna-se assistente de Grant no comando; vitorioso em Shiloh.
- 1863 : Destrói os suprimentos dos confederados em Jackson.
- 1864 : Conquista Atlanta e inicia a “marcha para o mar”.
- 1865 : Conquista Colúmbia e Goldboro.
- 1869 : Promovido a general de quatro estrelas.
- 1869—1883 : General comandante (atual chefe do Estado-Maior) do exército dos Estados Unidos.
- 1891 : Morre em 14 de fevereiro, em Nova York.

----

ULYSSES S. GRANT “Preciso desse homem. Ele combate.” (Abraham Lincoln sobre o general Grant)
- 1822 dC : Nasce em 27 de abril, em Point Pleasant, Ohio.
- 1839-1843 : Estuda em West Point.
- 1846-1848 : Combate na Guerra Mexicano-Americana sob o comando dos generais Zachary Taylor e Winfield Scott.
- 1854 : Pede baixa do exército.
- 1861 : Volta ao exército no início da Guerra de Secessão.
- 1862 : Conquista o Forte Donelson, a primeira vitória da União na guerra; rechaça os confederados em Shiloh.
- 1863 : Vicksburg se rende, dando à União o controle do Mississippi.
- 1864 : Nomeado general em chefe das forças da União.
- 1865 : Os confederados se rendem.
- 1869-1877 : Presidente dos Estados Unidos.
- 1885 : Morre em 23 de julho, em Mount McGregor, Nova York.

----

INDÍGENAS NORTE-AMERICANOS:

COCHISE “Quando Deus criou o mundo, deu uma parte para os homens brancos e uma parte para os apaches.”
- 1812 dC : Nasce no Arizona.
- 1861 : Preso pelo sequestro de uma criança, mas foge.
- 1862 : Enfrenta o general Carlton no desfiladeiro Apache.
- 1863 : Torna-se chefe guerreiro apache.
- 1871 : Capturado pelo exército, mas foge.
- 1872 : Rende-se.
- 1874 : Morre em 8 de junho, no Arizona.

----

NUVEM VERMELHA “Fizeram muitas promessas, mas mantiveram apenas uma; prometeram tomar nossa terra e a tomaram.”
- 1822 dC : Nasce perto do rio Platte, em Nebraska.
- 1841 : Mata Touro Urso, chefe dos koya oglalas.
- 1842 : Lidera o primeiro grupo de guerra; casa cm Coruja Bonita.
- 1866 : Mata 80 soldados americanos no Forte Phil Kearny.
- 1867 : Ataca tropas americanas no Combate de Wagon Box.
- 1868 : Assina o Segundo Tratado do Forte Laramie.
- 1870 : Visita Washington.
- 1873 : Estabelece-se na Reserva Nuvem Vermelha, em White River.
- 1876 : Preso depois de os lakotas, os cheyennes e os araphoes terem derrotado Custer na Batalha de Little Bighorn.
- 1878 : Muda-se com o seu povo para a reserva de Pine Ridge.
- 1890 : Cento e cinquenta lakotas são mortos em Wounded Knee.
- 1909 : Morre em 10 de dezembro, em Pine Ridge, na Dakota do Sul.

----

CAVALO DOIDO – Aos 20 anos de idade, Cavalo Doido liderava seu próprio grupo de guerra.
- 1842 dC : Nasce perto da atual Rapid City, na Dakota do Sul.
- 1865 : Une-se a Nuvem Vermelha na luta contra a trilha Bozeman.
- 1866 : Ajuda a aniquilar 80 soldados norte-americanos no Forte Phil Kearny.
- 1868 : Recusa-se a aceitar o Segundo Tratado do Forte Laramie e foge.
- 1876 : Força o general Crook a se retirar; combate na Batalha de Little Bighorn.
- 1877 : Rende-se ao general Crook; morre em 5 de setembro, no Forte Robinson, em Nebraska.

----

PRÚSSIA

FREDERICO, O GRANDE “Se ele ainda estivesse vivo, não estaríamos agora na Prússia.” (Napoleão Bonaparte)
- 1713 dC : Nascido em 24 de janeiro, em Potsdam.
- 1740 : Sobe ao trono da Prússia; apodera-se da Silésia.
- 1741 : Primeira vitória na Batalha de Mollwitz.
- 1742 : Vitória em Chotusitz; a Áustria cede a Silésia à Prússia.
- 1744 : Conquista Praga, dando início à Segunda Guerra da Silésia.
- 1745 : Vitórias em Hohenfriedburg e Sohr.
- 1746 : Vitórias em Hennesdorf e Kesseldorf.
- 1756 : Invade a Saxônia, dando início à Guerra dos Sete Anos; vitória em Lobositz.
- 1757 : Vitória em Praga; derrota em Kolin; vitórias em Rossbach e Leuthen.
- 1758 : Vitória em Zorndorf; derrota em Hochkirchen.
- 1759 : Derrota em Kundersdorf.
- 1760 : Vitórias em Liegnitz e Torgau.
- 1762 : Vitórias em Burkesdorf e Freiberg.
- 1763 : A Paz de Hubertursburg põe fim à Guerra dos Sete Anos.
- 1786 : Morre em 17 de agosto, em Berlim.

----

CONDE HELMUTH VON MOLTKE – A reorganização feita por Moltke no exército prussiano seria um fator essencial na unificação da Alemanha.
1800 dC : Nasce em 26 de outubro, em Parchim, Mecklemburgo.
- 1822 : Entra para a Guarda Prussiana.
- 1828-1829 : Combate na Guerra Russo-Turca.
- 1835 : Enviado para modernizar o exército turco.
- 1857 : Como chefe do Estado-Maior, inicia a reorganização do exército prussiano.
- 1864 : Combate na guerra com a Dinamarca.
- 1866 : Guerra das Sete Semanas contra a Áustria.
- 1870 : Derrota os franceses em Sedã.
- 1888 : Reforma-se.
- 1891 : Morre em 24 de abril, em Berlim.

----

PRÍNCIPE OTTO VON BISMARCK “As grandes questões do dia não serão resolvidas com discursos, mas a ferro e sangue.”
- 1815 dC : Nasce em 1° de abril, em Brandemburgo.
- 1847 : Torna-se membro da Dieta Prussiana.
- 1851 : Participa da Dieta da Confederação Germânica, em Frankfurt.
- 1859 : Embaixador na Rússia.
- 1862 : Embaixador na França; torna-se primeiro-ministro.
- 1863-1866 : Institui reformas militares.
- 1866 : Invade Holstein; derrota a Áustria na Guerra das Sete Semanas.
- 1870 : Provoca a Guerra Franco-Prussiana.
- 1871 : Torna-se o primeiro chanceler da Alemanha unificada.
- 1890 : Renuncia ao cargo de primeiro-ministro.
- 1898 : Morre em 30 de julho.

----

ALFRED VON TIRPITZ – Ele era conhecido como “Tirpitz, o Eterno” por causa da sua habilidade de permanecer no seu cargo.
- 1849 dC : Nasce em 19 de março, em Küsten, na Prússia.
- 1865 : Alista-se na marinha prussiana.
- 1895 : Promovido a contra-almirante.
- 1896 : Chefia uma esquadra no leste da Ásia.
- 1897 : Torna-se secretário de Estado para a marinha.
- 1898 : O Primeiro Ato da Esquadra inicia a construção de uma esquadra para batalhas em alto-mar.
- 1900 : O Segundo Ato da Esquadra expande a esquadra de navegação oceânica.
- 1916 : Renuncia.
- 1930 : Morre em 6 de março, em Ebenhausen.



----

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL:

PAUL VON HINDENBURG – Em 1918, Hindenburg foi visto pelos Aliados como o homem que manteria a Alemanha unida na derrota.
- 1847 dC : Nasce em 2 de outubro, em Posen.
- 1858 : Entra para o exército como cadete.
- 1866 : Combate na Guerra das Sete Semanas.
- 1870-1871 : Combate na Guerra Franco-Prussiana.
- 1911 : Passa para a reserva como general.
- 1914 : Chamado novamente para a ativa.
- 1916 : Torna-se o comandante de todas as forças alemãs.
- 1919 : Passa para a reserva pela segunda vez.
- 1925 : Torna-se presidente da Alemanha.
- 1933 : Indica Hitler como chanceler.
- 1934 : Morre em 2 de agosto, em Neudeck.

----

JOHN JOSEPH PERSHING “Não serei intimidado.”
- 1860 dC : Nasce em 13 de setembro, em Laclede, Missouri.
- 1886 : Forma-se em West Point.
- 1886-1889 : Combate os sioux e os apaches.
- 1898 : Combate na Guerra Hispano-Americana.
- 1903 : Combate na Insurreição Filipina.
- 1916 : Comanda a expedição contra Pancho Villa.
- 1917 : Comanda as forças norte-americanas na Europa.
- 1921-1924 : Serve como chefe do Estado-Maior.
- 1948 : Morre em 15 de julho, em Washington, D.C.

----

CONDE DOUGLAS HAIG “Cada posição deve ser mantida até o último homem; não deve haver retirada.”
- 1861 dC : Nasce em 19 de junho, em Edimburgo.
- 1895 : Forma-se em Sandhurst.
- 1898 : Combate na Batalha de Omdurman.
- 1899-1902 : Combate na Guerra dos Bôeres.
- 1906-1909 : Como diretor de treinamento, ajuda a reorganizar o exército inglês.
- 1914 : Lidera o I Corpo no norte da França.
- Comanda o 1° Exército; torna-se comandante em chefe da força Expedicionária Britânica.
- 1916 : As ofensivas do Somme custam 420.000 baixas britânicas; promovido a marechal de campo.
- 1917 : Lidera a fracassada Campanha de Passchendaele.
- 1918 : Leva as forças britânicas à vitória.
- 1919 : Torna-se conde.
- 1928 : Morre em 29 de janeiro, em Londres.

----

VISCONDE EDMUND ALLENBY – A conquista de Jerusalém por Allenby, em 1917, foi a última grande vitória da cavalaria montada.
- 1861 dC : Nasce em 23 de abril, em Brackenhurst, Nottinghamshire.
- 1882 : Entra para os Dragões de Inniskilling.
- 1884-1885 : Une-se à expedição à Bechuanalândia.
- 1888 : Serve na Zululândia.
- 1899-1902 : Combate na Guerra dos Bôeres.
- 1910-1914 : Serve como inspetor-geral da cavalaria.
- 1915 : Comanda o 3° Exército no Front Ocidental.
- 1917 : Combate na Batalha de Arras; assume o comando da Força Expedicionária Egípcia; derrota os turcos em Gaza; conquista Jerusalém.
- 1918 : Vitorioso na Batalha de Megiddo; conquista Damasco e Aleppo.
- 1919-1925 : Alto comissário para o Egito.
- 1936 : Morre em 14 de maio, em Londres.

----

SIR HENRY RAWLINSON “Sei que, com as costas contra a parede, poderemos nos sair muito bem.”
- 1864 dC : Nasce em 20 de fevereiro, em Trent Manor, Dorset.
- 1884 : Entra para o Regimento de Fuzileiros Reais na Índia.
- 1886 : Combate pela primeira vez na Birmânia.
- 1889 : Entra para os Coldstream Guards como capitão.
- 1898 : Une-se a lorde Kitchener no avanço para Omdurman; mencionado por bravura nos comunicados.
- 1899-1902 : Combate na Guerra dos Bôeres.
- 1914 : Comandante de divisão no Front Ocidental.
- 1915 : Comandante de corpo no Front Ocidental.
- 1916 : Evacua Galípoli; combate na Batalha do Somme.
- 1917 : Comanda o flanco esquerdo britânico no Front Ocidental.
- 1918 : Assume o comando do 4° Exército; consegue a vitória na Batalha de Amiens com um grande número de blindados.
- 1919 : Evacua a força aliada do norte da Rússia.
- 1920 : Nomeado comandante em chefe na Índia.
- 1925 : Morre em 28 de março, em Déli.

----

ERICH LUDENDORFF “Oito de agosto [de 1918] foi o dia negro para o exército alemão.”
- 1865 dC : Nasce em 9 de abril, perto de Posen.
- 1908 : Nomeado para o Estado-Maior chefiado por Von Moltke, o Jovem.
- 1913 : Comandante de regimento da infantaria.
- 1914 : Início da Primeira Guerra Mundial; vitória na Batalha de Tannenberg.
- 1916 : Transferido para o Front Ocidental.
- 1917 : Manda Lenin de volta à Rússia.
- 1918 : Dá início ao que pensa ser uma ofensiva definitiva para vencer a guerra no Ocidente, mas fracassa.
- 1924-1928 : Deputado nazista no Reichstag.
- 1937 : Morre em 20 de dezembro, em Munique.

----

PAUL VON LETTOW-VORBECK “Um exército que não havia perdido capitulou para um exército que não havia vencido.”
- 1870 dC : Nasce em 20 de março, em Saarlouis, na Prússia.
- 1900 : Combate na Revolta dos Boxers.
- 1914-1918 : Combate os britânicos, os belgas e os portugueses.
- 1918 : Invade o norte da Rodésia.
- 1919 : Retorna à Alemanha saudado como heróis.
- 1929-1930 : Mandado de deputado no Reichstag.
- 1964 : Morre em 9 de março, em Hamburgo.

----

KEMAL ATATURK “Depois da vitória turca em Galípoli, Ataturk foi saudado como o ‘Salvador de Istambul’.”
- 1881 dC : Nasce em 12 de março, em Salônica.
- 1899 : Entra para a Escola de Guerra em Istambul.
- 1902 : Forma-se como segundo-tenente.
- 1905 : Forma-se como capitão na Escola de Estado-Maior; enviado para a Síria.
- 1911 : Combate os italianos na Líbia.
- 1912-1913 : Combate nas Guerras dos Bálcãs.
- 1915 : Rechaça a força aliada que desembarcava em Galípoli; é saudado como o “Salvador de Istambul”.
- 1916 : Promovido a general; derrota os russos no Front Oriental.
- 1918 : Supervisiona a retirada otomana da Síria.
- 1919 : Clama aos turcos que lutem pela independência e desembarca na costa da Anatólia.
- 1920 : Estabelece um governo provisório em Ancara.
- 1921 : Derrota os gregos na Batalha de Sakarya.
- 1922 : Expulsa os gregos; abole o sultanato.
- 1923 : Torna-se o presidente da nova República da Turquia.
- 1934 : Recebe o título de Ataturk.
- 1938 : Morre em 10 de novembro, em Istambul.

----

CARL GUSTAF MANNERHEIM “Mannerheim é hoje considerado o ‘George Washington da Finlândia’.”
- 1867 dC : Nasce em 4 de junho, em Askainen, na Finlândia.
- 1889 : Entra para o exército russo.
- 1904-1905 : Combate na Guerra Russo-Japonesa.
- 1917 : Retorna à Finlândia.
- 1918 : Vence a Guerra Civil e expulsa os russos da Finlândia.
- 1931 : Torna-se presidente do Conselho Nacional de Defesa.
- 1939 : Comandante em chefe na guerra contra a Rússia.
- 1940 : A Finlândia se rende.
- 1941: Começa a guerra novamente quando os alemães invadem a União Soviética.
- 1942 : Nomeado marechal da Finlândia.
- 1944 : Torna-se presidente da Finlândia; negocia a paz com os soviéticos.
- 1946 : Renuncia.
- 1951 : Morre em 27 de janeiro, em Lausanne, na Suíça.

----

GERD VON RUNDSTEDT “Sele a paz, seu idiota”
- 1875 dC : Nasce em 12 de dezembro, em Aschersleben, na Prússia.
- 1893 : Torna-se oficial da infantaria.
- 1914-1918 : Serve na Primeira Guerra Mundial.
- 1938 : Passa para a reserva.
- 1939 : Chamado novamente à ativa para liderar um Grupo de Exércitos na Polônia.
- 1940 : Lidera um grupo de Exércitos na Batalha da França.
- 1941: Supervisiona a invasão da Ucrânia; dispensado após a contraofensiva soviética.
- 1942 : Chamado novamente para comandar na França.
- 1944 : Dispensado depois de falhar em deter a invasão dos Aliados; chamado novamente para a ofensiva das Ardenas.
- 1945 : Dispensado pela terceira vez; capturado pelas tropas norte-americanas; mantido preso pelos britânicos como criminoso de guerra.
- 1949 : Libertado devido a problemas de saúde.
- 1953 : Morre em 24 de fevereiro, em Hanover.

----
DOUGLAS MACARTHUR “Eu voltarei.”
- 1880 dC : Nasce em 26 de janeiro, em Little Rock, Arkansas.
- 1903 : Forma-se em West Point.
- 1914 : Serve em Vera Cruz, no México.
- 1917 : Vai para a França com a 42ª Divisão.
- 1918 : Combate como o mais jovem comandante de divisão.
- 1930-1935 : Serve como chefe do Estado-Maior do exército.
- 1935 : Vai para as Filipinas.
- 1937 : Passa para a reserva.
- 1941 : Chamado à ativa como comandante das forças norte-americanas no Extremo Oriente; os japoneses invadem as Filipinas.
- 1942 : Foge para a Austrália, prometendo solenemente: “Eu voltarei.”
- 1943 : Começa a campanha “pulando de ilha em ilha” no Pacífico.
- 1944 : Retorna às Filipinas.
- 1945 : Aceita a rendição japonesa na baía de Tóquio.
- 1950 : Comanda as forças das Nações Unidas na Coreia.
- 1951 : Dispensado por insubordinação.
- 1964 : Morre em 5 de abril, em Washington, D.C.

----

ARCHIBALD WAVELL “O melhor soldado tem em si uma pitada de perversidade.”
- 1883 dC : Nasce em 5 de maio, em Colchester.
- 1900 : Ingressa em Sandhurst; entra para o Regimento de Infantaria Black Watch; combate pela primeira vez na Guerra dos Bôeres.
- 1903 : Retorna à Índia.
- 1908 : Combate na campanha do vale Bazar.
- 1915 : Perde um dos olhos em Ypres.
- 1917 : Serve como oficial de coordenação na Palestina.
- 1918 : Entra para o estado-maior de Allenby.
- 1937 : Assume o comando da Palestina e da Transjordânia.
- 1939 : Chefia o Comando do Oriente Médio.
- 1940 : Supervisiona o combate contra os italianos.
- 1941 : Consegue uma série de vitórias no Deserto Ocidental.
- 1942 : Transferido para o Sudeste Asiático; perde a Malásia, Singapura e Birmânia.
- 1943-1947 : serve como vice-rei da Índia.
- 1950 : Morre em 24 de maio em Londres.

----

VISCONDE ALANBROOKE “Ele deve ser classificado como um soldado brilhante” (General Dwight D. Eisenhower sobre Alanbrooke.)
- 1883 dC : Nasce em 23 de julho, em Bagnères-de-Bigorre, na França.
- 1902 : Forma-se na Real Academia Militar de Woolwich.
- 1906 : Vai para a Índia.
- 1914-1918 : Serve como oficial de artilharia na França.
- 1939 : Comanda corpo na França.
- 1940 : Evacua Dunquerque.
- 1941 : Nomeado chefe do Estado-Maior Imperial.
- 1944 : Promovido a marechal de campo.
- 1963 : Morre em 17 de junho, em Hartley Wintney, Hampshire.

----

ISOROKU YAMAMOTO “Temo que tenhamos apenas acordado um gigante adormecido, e sua reação será terrível.”
- 1884 dC : Nasce em 4 de abril, em Nagaoka, Japão.
- 1904 ; Forma-se na Escola Naval; combate na Guerra Russo-Japonesa.
- 1919-1921 : Estuda na Universidade Harvard.
- 1924 : Serve como instrutor na estação aeronaval.
- 1926-1927 : Adido naval em Washington, D.C.
- 1929 : Comanda o porta-aviões Akagi.
- 1936 : Torna-se vice-ministro da marinha.
- 1938 : Comanda a 1ª Esquadra.
- 1941 : Torna-se comandante em chefe da Esquadra Combinada; planeja o ataque a Pearl Harbor.
- 1942 : Derrotado na Batalha de Midway.
- 1943 : Morre em 18 de abril, quando seu avião é derrubado sobre as ilhas Salomão.

----

GEORGE S. PATTON “Caro Ike, hoje eu cuspi no Sena.” (General Patton, informando Eisenhower de sua chegada a Paris, em 1944.)
- 1885 dC : Nasce em 11 de novembro, em San Gabriel, Califórnia.
- 1909 : Forma-se em West Point.
- 1916 : Ajudante de ordens de Pershing em sua expedição mexicana.
- 1918 : Lidera a 1ª Brigada Blindada norte-americana em St. Mihiel.
- 1942 : Desembarca no Marrocos.
- 1943 : Lidera o II Corpo, expulsando as forças do Eixo do norte da África; comanda o 7° Exército na conquista de Palermo.
- 1944 : Lidera o 3° Exército no avanço pelo norte da França; combate na Batalha do Bulge.
- 1945 : Morre em 21 de dezembro, em Heidelberg, na Alemanha, após um acidente automobilístico.

----

ERICH VON MANSTEIN “Em suma, ele tinha o gênio militar.” (Basil Henry Liddell Hart)
- 1887 dC : Nasce em 24 de novembro, em Berlin.
- 1906 : Entra para o 3° Regimento de Guardas.
- 1914-1918 : Serve nos fronts Ocidental, Oriental e Balcânico.
- 1939 : Chefe do estado-maior de Von Rundstedt durante a invasão da Polônia; desenvolve o plano de ataque à França pelas Ardenas.
- 1940 : Lidera o XXXVIII Corpo de Infantaria na invasão da França.
- 1941 : Lidera o LVI Corpo Panzer na invasão da União Soviética.
- 1942 : Conquista Sebastopol.
- 1943 : Fracassa em socorrer o 6° Exército em Stalingrado; reconquista Kharkov.
- 1944 : Dispensado por Hitler.
- 1945 : Capturado pelos britânicos; julgado por crimes de guerra.
- 1953 : Libertado devido a problemas de saúde.
- 1973 : Morre em 11 de junho, em Irshenshausen, perto de Munique.

----

BERNARD LAW MONTGOMERY “Antes de Alamein, nunca tivemos uma vitória. Depois de Alameim, nunca tivemos uma derrota.” (Winston Churchill)
- 1887 dC : Nasce em 17 de novembro, em Londres.
- 1907 : Entra para Sandhurst.
- 1908 : Designado para o Real Regimento de Warwickshire.
- 1914 : Ferido na Batalha de Ypres; condecorado com a Ordem de Serviços Distintos.
- 1915 : Combate na Batalha do Somme.
- 1916-1918 : Serve como oficial de estado-maior na França.
- 1926 : Designado para a Escola de Estado-Maior; leciona juntamente com Alan Brooke.
- 1939 : Comandante de divisão na Bélgica.
- 1940 : Um dos últimos a deixar Dunquerque.
- 1942 : Assume o comando do 8° Exército no Deserto Ocidental; consegue a vitória em El Alamein.
- 1943 : Lidera o 8° Exército na invasão da Sicília e da Itália.
- 1944 : Comanda o desembarque do Dia D; promovido a marechal de campo; comanda a operação, frustrada, para conquistar a ponte em Arnhem; comanda o flanco norte na Batalha do Bulge.
- 1945 : Aceita a rendição alemã na Charneca de Lüneburg.
- 1976 : Morre em 24 de março perto de Alton, Hampshire.

----

HEINZ GUDERIAN “Se os blindados forem bem-sucedidos, a vitória, então, virá em seguida.”
- 1888 dC : Nasce em 17 de junho, em Kulm, na Alemanha.
- 1900 : Entra para a Escola de Cadetes.
- 1907 : Designado para o 100° Batalhão de Fuzileiros de Hanover.
- 1912 : Entra para a companhia de rádio.
- 1914-1917 : Comanda as comunicações de rádio da 5ª Divisão de Cavalaria.
- 1918 : Serve no Estado-Maior.
- 1922 : Entra para a Inspetoria de Transportes Motorizados em Berlim.
- 1932 : Inicia manobras com blindados em larga escala.
- 1934 : Chama a atenção de Hitler.
- 1935 : Dá início às divisões Panzer.
- 1937 : Publica “Achtung – Panzer!”.
- 1939 : Lidera os Panzers na Polônia.
- 1940 : Lidera os Panzers na França.
- 1941 : Lidera os Panzers na Rússia.
- 1943 : Torna-se inspetor-geral das tropas blindadas.
- 1944 : Torna-se chefe do estado-maior de Hitler.
- 1945 : Renuncia; capturado pelas forças norte-americanas.
- 1954 : Morre em 14 de maio, em Schwangau bei Fussen, na Alemanha Ocidental.

----

DWIGHT D. EISENHOWER “Odeio a guerra como só pode odiá-la um soldado que a vivenciou, aquele que viu sua brutalidade, sua estupidez.”
- 1890 : Nasce em 14 de outubro, em Denison, Texas.
- 1909-1915 : Estuda em West Point.
- 1917-1918 : Comanda o centro de treinamento de blindados.
- 1933-1935 : Ajudante de ordens do general Douglas MacArthur.
- 1941 : Designado para preparar a estratégia para a invasão aliada da Europa.
- 1942 : Comanda a invasão aliada da África Setentrional Francesa.
- 1943 : Comanda a invasão aliada da Sicília e da Itália.
- 1944 : Nomeado comandante supremo da Força Expedicionária Aliada para invadir a França.
- 1945 : Assiste triunfante ao término da guerra na Europa.
- 1953-1961 : Presidente dos Estados Unidos.
- 1969 : Morre em 28 de março, em Washington, D.C.

----

ERWIN ROMMEL “Não deveria ficar parado, senão perdidos.”
- 1891 dC : Nasce em 15 de novembro, em Heidenheim, Württemberg, na Alemanha.
- 1910 : Entra para o 124° Regimento de Infantaria de Württemberg como aspirante a oficial.
- 1912 : Torna-se tenente.
- 1914-1918 : Serve na França, Romênia e Itália, recebendo a Cruz de Ferro.
- 1937 : Publica “A Infantaria Ataca”; torna-se comandante da guarda de Hitler.
- 1939 : Serve como instrutor na Escola de Guerra.
- 1940 : Lidera a 7ª Divisão Panzer na corrida até a costa francesa.
- 1941 : Nomeado comandante Afrika Korps.
- 1942 : Depois de êxitos surpreendentes, é derrotado em El Alamein.
- 1943 : Recebe o comando das defesas da costa ocidental.
- 1944 : Comete suicídio em 14 de outubro, em Herrlingen, perto de Ulm.
----
HAROLD ALEXANDER “O único homem sob o qual qualquer general serviria com prazer.” (Marechal de campo Montgomery.)
- 1891 dC : Nasce em 10 de dezembro, em Londres.
- 1911 : Entra para a Guarda Irlandesa.
- 1914-1918 : Serve na França.
- 1919 : Combate na Letônia.
- 1922 : Comanda o exército de ocupação em Constantinopla.
- 1934 : Serve na Província da Fronteira Noroeste.
- 1939 : Comanda a 1ª Divisão na França.
- 1940 : Comanda a retaguarda em Dunquerque.
- 1942 : Comanda o exército na Birmânia; torna-se comandante em chefe no Oriente Médio.
- 1943 : Vai à Conferência de Casablanca; assume o comando do Mediterrâneo.
- 1944 : Torna-se comandante em chefe na Itália.
- 1946-1952 : Serve como governador-geral do Canada.
- 1952-1954 : Serve como ministro da Defesa.
- 1969 : Morre em 16 de junho, em Slough, Buckinghamshire.

----

MAO TSE TUNG “O poder político brota do cano de uma arma.”
- 1893 dC : Nasce em 26 de dezembro, na província de Hunan.
- 1911-1912 : Serve como soldado nas forças revolucionárias que fundaram a República.
- 1921 : Funda o Partido Comunista Chinês.
- 1931 : Funda o Exército Vermelho; eleito presidente da República Soviética Chinesa.
- 1934 : A fim de escapar das forças nacionalistas, dá início à “Longa Marcha”.
- 1937 : Forma uma aliança com os nacionalistas para combater os invasores japoneses.
- 1945 : Combate os nacionalistas novamente.
- 1949 : Proclama a República Popular da China e se torna seu presidente.
- 1976 : Morre em 9 de setembro, em Pequim.

----

WILLIAM SLIM “O melhor general que a Segunda Guerra Mundial produziu.” (Lorde Louis Mountbatten)
- 1891 dC : Nasce em 6 de agosto, em Bristol.
- 1914 : Entra para o Real Regimento de Warwickshire.
- 1915 : Ferido no estreito de Dardanelos.
- 1916 : Ferido no Iraque.
- 1917 : Designado para a Índia.
- 1940 : Enviado para conquistar Galabat, na Erireia.
- 1941 : Ferido na Eritreia; combate os franceses de Vichy no Iraque; invade a Pérsia.
- 1942 : Comanda a retirada de Rangum.
- 1943 : Contra-ataca em Arakan.
- 1944 : Inicia a reconquista da Birmânia.
- 1945 : Reconquista Rangum.
- 1948 : Nomeado chefe do Estado-Maior Imperial; promovido a marechal de campo.
- 1953-1960 : Serve como governador-geral da Austrália.
- 1970 : Morre em 14 de dezembro, em Londres.

----

OMAR BRADLEY “O respeito de Bradley pelas vidas de seus soldados lhe valeu o epíteto de ‘General dos Soldados’”
- 1893 dC : Nasce em 12 de fevereiro, em Clark, Missouri.
- 1915 : Forma-se em West Point.
- 1929 : Entra para a Escola de Estado-Maior.
- 1934 : Serve como instrutor na Escola de Infantaria.
- 1941 : Comanda a 28ª e a 82ª Divisões de Infantaria.
- 1942 : Assistente de Eisenhower no norte da África.
- 1943 : Comandante de corpo sob as ordens de Patton na Tunísia e na Sicília.
- 1944 : Comandante de Patton no desembarque na Normandia; Liberta Paris.
- 1945 : Atravessa o Reno em Remagen; recebe a quarta estrela.
- 1949 : Nomeado primeiro chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.
- 1950 : Recebe a quinta estrela.
- 1953 : Passa para a reserva.
- 1981 : Morre em 8 de abril, em Nova York.

----

GEORGY ZHUKOV “Deixe-me defender meu país com meu fuzil e uma baioneta na mão.”
- 1896 dC : Nasce em 1° de dezembro na província russa de Kaluga.
- 1915 : Alistado na Cavalaria Imperial Russa.
- 1918 : Entra para o Exército Vermelho.
- 1923 : Enviado para um curso sobre liderança na Alemanha.
- 1931 ; Forma-se na Academia Militar Frunze.
- 1939 : Comanda os blindados soviéticos na bem-sucedida contra-ofensiva contra os japoneses na fronteira da Manchúria.
- 1940 : Transferido para o Ocidente.
- 1941 : Nomeado auxiliar de Stalin; conduz a defesa de Leningrado e Moscou, assim como a Ofensiva de Inverno.
- 1942 : Supervisiona a defesa de Stalingrado.; planeja a contraofensiva.
- 1943 : Nomeado marechal; vitorioso na Batalha de Kursk.
- 1944 : Conduz as ofensivas através da Ucrânia e Bielorrúsia.
- 1945 : Conduz pessoalmente o ataque final a Berlim.
- 1946 : Designado para um comando regional distante.
- 1957 : Nomeado membro do Comitê Executivo do Partido Comunista.
- 1974 : Morre em 18 de junho, em Moscow.

----

IVAN KONEV - A Segunda Frente Ucraniana de Konev foram as primeiras tropas russas em solo alemão.
- 1897 dC : Nasce em 28 de dezembro, em Lodeino, no norte da Rússia.
- 1916 : Alistado no Exército Czarista.
- 1818 : Entra para o Exército Vermelho.
- 1921 : Reprime a Revolta de Kronstadt.
- 1926 : Forma-se na Academia Militar Frunze.
- 1941 : Derrota o avanço alemão contra Moscow.
- 1942 : Detém a força alemã enviada para reforçar Stalingrado.
- 1943 : Rechaça a Ofensiva de Verão da Alemanha.
- 1944 : Torna-se marechal; atravessa o rio Vístula.
- 1945 : Une-se às forças terrestres soviéticas.
- 1946-1950 : Chefia as forças terrestres soviéticas.
- 1955-1960 : Comandante em chefe das forças do Pacto de Varsóvia.
- 1973 : Morre em 21 de maio, em Moscow.

----

VASILY CHUIKOV “Devemos defender a cidade ou morrer aqui.”
- 1900 dC : Nasce em 31 de janeiro, perto de Moscow.
- 1918 : Entra para o Exército Vermelho; combate na Guerra Civil.
- 1919 : Torna-se comandante de regimento.
- 1925 : Forma-se na Academia Militar Frunze.
- 1939 : Toma parte na invasão soviética da Polônia.
- 1939-1940 : Combate na Guerra Russo-Finlandesa.
- 1942 : Comanda as forças soviéticas na Batalha de Stalingrado.
- 1945 : Aceita a rendição de Berlim.
- 1972 : Indicado como inspetor-geral sênior do Ministério da Defesa.
- 1982 : Morre em 18 de março, em Moscow.

----

ORDE WINGATE – Wingate assumiu o comando de uma força composta de soldados britânicos, gurkhas e birmaneses: os Chindits.
- 1903 dC : Nasce em 26 de fevereiro, em Naini Tal, na Índia.
- 1923 : Designado para a Real Artilharia.
- 1927 : Viaja para o Sudão.
- 1928-1933 : Serve, na fronteira da Abissínia, na Força de Defesa Sudanesa.
- 1933 : Explora o deserto líbio.
- 1935 : A Itália invade a Abissínia.
- 1936 : Designado para o estado-maior de inteligência na Palestina.
- 1939: Serve como major em uma unidade antiaérea.
- 1940 : Viaja para Cartum, a fim de apoiar os rebeldes abissínios.
- 1941 : Conquista Adis-Adeba e põe Hailê Selassiê novamente no trono.
- 1942 : Organiza os “Chindits” na Índia.
- 1943 : Lidera a força Chindit no ataque contra os japoneses na Birmânia.
- 1944 : Morre em 24 de março, na Birmânia.

----

SIR DAVID STIRLING – Stirling inspirou seus homens a ataques-surpresa tão ousados que estavam fadados a dar certo.
- 1915 dC : Nasce em 15 de novembro, em Keir, Stirlingshire.
- 1939 : Entra para a reserva suplementar da Guarda Escocesa.
- 1941 : Voluntário nos Comandos de Guarda; enviado para o Egito; forma o SAS.
- 1942 : Promovido a tenente-coronel; recebe a Ordem de Serviços Prestados.
- 1943 : Feito prisioneiro na Tunísia.
- 1943-1945 : Escapa quatro vezes, sendo enviado para Colditz.
- 1990 : Morre em 4 de novembro, em Londres.

----

VO NGUYEN GIAP - As baixas do exército norte-vietnamita foram estimadas em 900.000 – 15 vezes maiores do que as dos Estados Unidos.
- 1911 dC : Nasce em Na Xa, no Vietnã.
- 1939 : Foge para a China.
- 1941 : Funda o Viet Minh com Ho Chi Minh.
- 1945 : Entra em Hanói à frente de suas tropas.
- 1954 : Derrota os franceses em Dien Bien Phu.
- 1965 : Os Estados Unidos empregam tropas terrestres na Guerra do Vietnã.
- 1968 : Esmaga o Vietnã do Sul na Ofensiva do Tet.
- 1973 : Os Estados Unidos se retiram do Vietnã.
- 1975 : O exército norte-vietnamita de Giap entra em Saigon.

----

MOSHE DAYAN – Moshe Dayan é considerado o pai das Forças de Defesa de Israel.
- 1915 dC : Nasce em 20 de maio, em Deganya, na Palestina.
- 1929 : Entra para Haganah.
- 1937 : Entra para as “patrulhas noturnas” de Wingate.
- 1939 : É aprisionado.
- 1941 : Entra para o exército britânico; combate na Palestina.
- 1953-1958 : Serve como chefe do Estado-Maior da Israel.
- 1956 : Lidera a invasão do Sinai.
- 1965 : Eleito para Knesset.
- 1967 : Nomeado ministro da Defesa; dirige a Guerra dos Seis Dias.
- 1974 : É retirado do gabinete.
- 1981 : Morre em 16 de outubro, em Tel Aviv, Israel.

----

NORMAN SCHWARZKOPF “Saddam não é estrategista, nem tático, nem general, nem soldado.”
- 1934 dC : Nasce em 22 de agosto, em Trenton, Nova Jersey.
- 1956 : Forma-se em West Point; designado como segundo-tenente da infantaria.
- 1964 : Mestrado em engenharia de mísseis teleguiados.
- 1965-1966 : Primeira temporada no Vietnã.
- 1969-1970 : Segunda temporada no Vietnã.
- 1983 : Subcomandante da invasão de Granada.
- 1988 : Promovido a general de quatro estrelas.
- 1991 : Comanda a operação para reconquistar o Kuwait.
- 1992 : Reforma-se.

----

COLIN POWELL – Powell obteve o reconhecimento internacional como o planejador da estratégia norte-americana na Guerra do Golfo.
- 1937 dC : Nasce em 5 de abril, na cidade de Nova York.
- 1958 : Forma-se na Universidade de Nova York.
- 1962-1963 : Serve no Vietnã.
- 1968-1969 : Segunda temporada no Vietnã.
- 1972 : Serve como assistente na Casa Branca.
- 1973 : Comanda um batalhão na Coreia do Sul.
- 1976 : Comanda uma brigada em Fort Campbell, no Kentucky.
- 1983 : Torna-se assistente militar sênior do secretário de Defesa.
- 1987 : Comandante de corpo na Alemanha Ocidental; torna-se membro do Conselho de Segurança Nacional.
- 1989 : Torna-se chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas; desempenha um papel decisivo na invasão do Panamá.
- 1990-1991 : Principal figura da primeira Guerra do Golfo.
- 1993 : Passa para a reserva.

- 2001 : Torna-se secretário de Estado.

Akin Lan Feng
Admin

Mensagens : 42
Data de inscrição : 08/12/2008
Idade : 31

Ver perfil do usuário http://lobosdovento.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: História do Mundo

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum